21.12.07

A mágica revelada...

Recebi este vídeo de uma amiga, por email. Pode ser até meio cruel para com a arte da mágica, mas não deixa de ser interessante a revelação de como é feito o truque. Tudo muito simples e talvez exatamente por isso, mágico.
video

15.12.07

Nunca mais

O sol despenca
Com um ar calamitoso
No horizonte arbitrário
Da minha caverna escura

A noite chega
e sinto falta de mim

Lembro de Cecília
Pois eu também não tinha este sorriso feio

As cicatrizes se espalham pelo meu rosto
Mas nem lembro mais dos cortes
das feridas
do sangue, das tantas dores
Nem mesmo dos arredores
de onde perdi a vida

Já não me lembro mais dos parques
Nem jardins da Prefeitura
Nem mesmo, sequer, me ocorre
Em que vaga criatura
Abandonei os temores
Que me mantinham pregados
Ás coisas todas do mundo

Já não sei mais em que corpos maliciosos
extravasei meus amores,
E já nem sei se eram mesmo amores
Ou vícios da humanidade

Lembro vagamente dos meus sorrisos
espalhados pela cidade
Em cada porta havia
ao menos um sorriso meu

Amava em estardalhaço, eu sei
Berrando gozos fantásticos
Mas isso tudo se perdeu

A noite que chega agora
não me traz melancolia
E nem mesmo os fantasmas dos amores mais antigos

Tudo desaba
Mas é como
se nem tivesse existido
Um tempo qualquer
Anterior a esta noite
Em que o corvo boquirroto
Grita em meus ouvidos
A velha e triste sentença:

Ele me diz “Nunca mais”

Será mera coincidência
Ou o corvo da consciência
- Demônio ou ave preta –
Grita a todos os poetas
Este verso: nunca mais?

Volto ao vinho
para encarar
as tramas da noite eterna
que desce pelo horizonte
escuro da minha caverna

Fecho todas as janelas
Ignorando os umbrais

Conhecendo minhas mazelas
não preciso mais de um corvo
pra me dizer:
Nunca mais.


Vicente Portella

Motivo

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.
Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.
Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
- não sei, não sei.
Não sei se fico
ou passo.
Sei que canto.
E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
- mais nada.

Cecilia Meireles

A noite dissolve os homens - Drummond

A noite desceu. Que noite!
Já não enxergo meus irmãos.
E nem tampouco os rumores
Que outrora me perturbavam
A noite desceu. Nas casas,
Nas ruas onde se combate,
Nos campos desfalecidos,
A noite espalhou o medo
E a total incompreensão.

A noite caiu. Tremenda,
Sem esperança… Os suspiros
Acusam a presença negra
Que paralisa os guerreiros.
E o amor não abre caminho
Na noite.

A noite é mortal,
Completa, sem reticências,
A noite dissolve os homens,
Diz que é inútil sofrer,
A noite dissolve as pátrias,
Apagou os almirantes
Cintilantes nas ruas fardas.
A noite anoiteceu tudo…
O mundo não tem remédio…
Os suicidas tinham razão.

Carlos Drummond de Andrade

Cocktail Party

Não tenho vergonha de dizer que estou triste,
Não dessa tristeza ignominiosa dos que, em vez de se matarem, fazem poemas:
Estou triste por que vocês são burros e feios
E não morrem nunca…
Minha alma assenta-se no cordão da calçada
E chora,
Olhando as poças barrentas que a chuva deixou.
Eu sigo adiante. Misturo-me a vocês. Acho vocês uns amores.
Na minha cara há um vasto sorriso pintado a vermelhão.
E trocamos brindes,
Acreditamos em tudo o que vem nos jornais.
Somos democratas e escravocratas.
Nossas almas? Sei lá!
Mas como são belos os filmes coloridos!
(Ainda mais os de assuntos bíblicos…)
Desce o crepúsculo
E, quando a primeira estrelinha ia refletir-se em todas as poças d’água,
Acenderam-se de súbito os postes de iluminação!

Mário Quintana

14.12.07

Elomar no Rio, neste final de semana

Elomar Figueira Mello estará no Rio nos próximos 3 dias. Quem conhece, sabe a rara oportunidade que isso representa. Pra quem não conhece o Bode Véi... Na minha singela opinião, Elomar daqui a uns 30 anos será reconhecido como um dos maiores gênios da música mundial. Sua obra tem algo de mágico, atávico, árido e lírico, sei lá... Fora que o sujeito é um figura; não se deixa filmar, tem uma produção altamente rebuscada, toca pracarái, mora numa fazendo do interior da Bahia criando bodes (o bode Orelana, famoso personagem do Henfil é baseado em um bode dele). Ficou muito conhecido pela série de apresentações que percorreu o país e resultou em dois discos espetaculares, Cantoria 1 e 2, junto com Xangai, Vital Farias e Geraldo Azevedo. Ano passado conseguiram convencê-lo de que ele devia transforma sua fazenda numa fundação para, entre outras coisas, manter sua obra e editar as partituras de sua produção mais operística-erudita. Com isso, ele voltou a se deixar filmar e fotografar, coisa que a mais de 20 anos ele não deixava fazer... Rústico, com a cara curtida pelo sol da caatinga, contestador da cultura de massa, o sujeito é radical naquele sentido que o Marx dizia. Em épocas de banalização de tudo como a nossa, é um cara necessário, se não como um contraponto, pelo menos como uma bandeira lembrando a gente que existem muitos mundos possíveis. Uma história pra ter uma idéia de como o cabra é peculiar: recentemente teve uma pendenga com um vizinho. Saiu a cavalo e ficou uns dez dias sumido. Isso meu amigo Ricardo Harduim tentando contato com ele pra ver assuntos de agenda e coisa e tal. Quando finalmente conseguiram encontrá-lo, ele explicou o caso; disse que saiu para planejar uma defesa jurídica para o caso com o vizinho. Indagado porque não contratava um advogado, a resposta veio rápida: "como? esses advogados NEM FALAM LATIM!" Lá embaixo tem uns links do youtube pra dar uma olhada. Também tem o site, que aliás, fica hospedado comigo. Tem texto pra caramba, mas vale a pena pelo menos dar uma visita nas imagens do dia-a-dia do sujeito. E também a homenagem que a TV Cultura fará pra ele na próxima sexta.

http://www.elomar.com.br/

RIO DE JANEIRO - Projeto Pixinguinha sábado e domingo, dias 15, 16 e 17 de dezembro de 2007às 18h30min5 reais inteira (isso mesmo!) e 2,50 a meia.
Funarte - Sala Sidney MullerRua da Imprensa, 16Rio de Janeiro, RJTel.: 2215-1668 / 2240-5151
Homenagem na TV Culturasexta-feira, 21 dez, 2007, 21hEm 21 de dezembro próximo, às 21h, a TV Cultura apresentará no programa Mosaicos um especial em homenagem ao grande mestre Elomar, contando com a participação da grande intérprete paulista Monica Albuquerque, juntamente com Xangai, Vital Farias e Geraldo Azevedo.

Texto de Heraldo, HB

30.11.07

Arcos da Lapa - 1

ARCOS DA CARIOCA - Atualmente Arcos da Lapa

1- SÉCULO XVIII
O que conhecemos hoje como Lapa estava fora dos muros da cidade em meados do século XVIII. A cidade propriamente dita estava cercada por morros e alagadiços e sofria de um crônico problema de abastecimento de água potável.
Do alto da serra que circundava a cidade, nascia um rio de nome Carioca, onde os escravos iam buscar a escassa água de boa qualidade, mediante uma marcha de muitas horas. Nessas nascentes, em meados do século XVII, havia sido iniciada a canalização das águas em direção à cidade.
As obras se arrastaram por décadas e foram objeto de muita controvérsia acerca da melhor solução e do melhor trajeto. Em 1721, a canalização chegou até o morro do Desterro, onde viria a ser construído o Convento de Santa Teresa. Entre o morro e a cidade, entretanto, estendiam-se 300 metros de brejos e lagoas, a serem vencidos com a milenar técnica romana de construção de arcos, uma ponte para as águas.
Os Arcos da Carioca foram construídos por braço escravo, utilizando pedra, tijolos, areia, cal e óleo de baleia. O primeiro chafariz, inaugurado no Largo da Carioca em 1723, fez a alegria da população e abriu caminho para a expansão da cidade.
Para sair da cidade passava-se pelo Caminho de Matacavalos e por uma estrada que margeava a lagoa da Sentinela, indo pelo arraial de Mataporcos (hoje Estácio), pelo Engenho Velho dos padres jesuítas e seguindo para os sertões, em direção à Capitania de Minas Gerais. Por este caminho, seguiam viajantes, mascates e soldados, guiando tropas de burros, levando açúcar, carvão e todo tipo de mercadorias. Por ele também vieram as duas expedições francesas que invadiram a Rio no século XVIII.
Ao final do século, o Rio de Janeiro era uma cidade obscura. A cultura portuguesa apresentava ainda fortes traços herdados de dez séculos de dominação árabe. A mulher de então ocupava posição subalterna e desconhecia as cenas da cidade, a não ser aquelas que se passavam à frente de seu balcão. Faziam parte do cenário, os homens que iam pelas ruas, donos da cidade e da política, e uma multidão de escravos, pedreiros, barbeiros ou sem profissão definida, e as negras de ganho ou de casa, também com hábitos muçulmanos adquiridos, roupas coloridas, panos de cabeça e costa, balangandãs.

Arcos da Lapa - 2

2 – SÉCULO XIX

Em meados do século XIX, o Rio de Janeiro, capital do Império do Brasil, era um cidade majoritariamente negra: dos 130 mil habitantes estimados em 1838, pelo menos dois terços eram escravos. Mantinha também muitos de seus aspectos de atrasada cidade colonial: a limpeza pública era escassa, a iluminação se fazia por raras lâmpadas de azeite de peixe, os esgotos corriam por calhas no meio das ruas e os meios de locomoção limitavam-se a poucos carros, muitos cavalos e os primeiros ônibus de tração animal, as chamadas gôndolas.
Os arrabaldes da cidade iam sendo progressivamente ocupados, especialmente após o desembarque da Família Real portuguesa em 1808, fugindo da guerra na Europa e trazendo consigo inúmeros cortesãos e extensa burocracia governamental.
Nas antigas chácaras e quintas da Lapa, foram surgindo novos e aristocráticos sobrados. O caminho do sul que levava do Largo da Lapa até os bairros do Catete e Flamengo, disputava a preferência das elites com as ruas dos Inválidos, Lavradio e Resende, recém-abertas sobre o aterro do brejo de Pedro Dias, por trás dos Arcos.
A área, que se urbanizava rapidamente, havia triplicado no período entre 1838 e 1888 e, a esta altura, a antiga lagoa do Boqueirão, bolsão de mar que entrava pela várzea e que já permitira navegação para pequenas atracações, tinha-se transformado num pântano, razão pela qual em 1790, o então vice-rei Luis de Vasconcellos fez aterrar o que restava da lagoa, onde construiu o primeiro parque da cidade, o Passeio Público.
O largo da Lapa foi, desde que os padres carmelitas se mudaram para ali em 1810, um dos cenários principais da festa do Divino Espírito Santo, a mais importante da cidade no seu tempo. Durante cinco semanas, o povo se divertia nas barraquinhas armadas no Largo, iluminadas à noite pelo espetáculo dos fogos de artifício.

Arcos da Lapa - 3

3- NA PASSAGEM DO SÉCULO XIX PARA O SÉCULO XX

O Rio de Janeiro passou por uma radical reforma urbana no início do século XX. A administração Pereira Passos construiu avenidas e um moderno porto na antiga cidade colonial, proibiu a criação de vacas e porcos no perímetro urbano, vacinou a população e proibiu mendigos de esmolarem pelas ruas. Promoveu desapropriações e demolições, expulsando da área central inúmeros trabalhadores e despossuídos.
Nesse contexto, a Lapa teve também vários de seus casebres e cortiços demolidos em poucas semanas para a construção da avenida Mem de Sá, o que exigiu ainda o arrasamento do morro do Senado bem como o aterro do que ainda restava das antigas lagoas. Por esta avenida, circulou o mais significativo dos símbolos da modernidade – o bonde elétrico, que levava para os novos subúrbios os operários que o centro da cidade não mais abrigava.
Depois de desativado o antigo aqueduto da Carioca, em 1896, os Arcos passaram a ser utilizados como viaduto para uma linha de bondes para Santa Teresa. Durante a administração Pereira Passos, a Lapa ganhou ares afrancesados, com a arborização do Largo, a recuperação do Passeio Público e a construção do lampadário. É desses dias a última visão da praia da Lapa, engolida pelo aterro da avenida Beira-Mar que seguia por toda a orla, até Botafogo, destinada a receber os elegantes palacetes da burguesia da época.

Arcos da Lapa - 4


4- SÉCULO XX – PRIMEIRA METADE

No primeiro terço do século, a Lapa era chamada de “Montmartre carioca”, seus restaurantes e cabarés abrigavam a noite mais movimentada, as mulheres mais famosas, os malandros mais renomados. A vida noturna, ali, oferecia opções para todos os gostos, ostentando a mais absoluta diversidade. Se numa mesa de café reuniam-se políticos e empresários, ou então intelectuais como Villa-Lobos, Manuel Bandeira, Mário de Andrade ou Rubem Braga, na mesa ao lado, poderia estar uma roda de samba ou a fina flor da malandragem da época.
Antes que a decadência viesse, com a repressão aos bordéis e à malandragem promovida pelo Estado Novo e a proibição dos jogos de azar no pós-guerra, e antes da ascensão de Copacabana, a Lapa vivia noites de puro brilho. O malandro autêntico tornou-se, então, figura de folclore, e o próprio Wilson Baptista rendeu-se e cantou: “O bonde São Januário / Leva mais um operário / Sou eu que vou trabalhar”.
Por trás da aura mágica da boemia e da noite, a Lapa também era zona industrial de pequenos estabelecimentos nos ramos de móveis, confecções, alimentos e bebidas. Até os anos 70, na rua dos Arcos, funcionou o símbolo dessa indústria – a Fundição Progresso, de cofres e fogões.
Pela manhã, enquanto boêmios se dirigiam aos pontos de bonde, a Lapa já ia sendo tomada por caminhoneiros, carregadores, comerciantes que começavam a montar a feira livre na praça defronte aos Arcos. Ao meio-dia, começavam a chegar os chamados “xepeiros” e logo em seguida, a Lapa começava a se preparar para mais uma noite de glória.

Arcos da Lapa - 5

5- SÉCULO XX – O ADVENTO DA MODERNIDADE

No pós-guerra, em meio à decadência da boemia, teve início o arrasamento do morro de Santo Antônio, nos anos 50, com o objetivo de abrir espaços no centro da cidade para pessoas e veículos. A Lapa, era vizinha dos canteiros de obras dos grandes edifícios que surgiam na esplanada e por isso, entrou num processo de deterioração dos velhos centros urbanos. É neste contexto que algumas casas famosas mudaram-se para endereços próximos, como o Restaurante Capela e o Cabaré Casanova. Outras casas escaparam por pouco da extinção, como a Sala Cecília Meireles, que ainda funciona ali.
Na década de 60, surge um projeto governamental para a construção de uma grande avenida que cortasse o Centro de norte a sul, repetindo o feito de Pereira Passos e desafogando a sua antiga avenida Central. No meio do caminho estava a Lapa. O plano mais tarde foi abandonado, mas a Lapa por pouco não sumiu do mapa, pois em poucos anos quarteirões inteiros foram arrasados e inúmeros prédios foram demolidos.
Tal processo de renovação durou até os anos 70. A Fundição Progresso, que havia sido fechada em 1976, chegou a sentir o impacto das marretas antes que uma mobilização de artistas, intelectuais e moradores das vizinhanças a salvasse da demolição, transformando-a em símbolo de renascimento cultural.
Depois do cataclisma dos anos 70, a noite da lapa começou a esquentar de novo. A Sala Cecília Meireles assumiu o papel de principal casa de espetáculos da cidade para música instrumental, com acústica excepcional. O Asa Branca, com pista de dança e show ao vivo, é importante espaço de música popular, repetindo o estilo das antigas casa de espetáculos do lugar. Um circuito de bares e restaurantes de todos os cardápios indica o renascimento da vida noturna do centro da cidade.
Um dos pontos altos da noite da Lapa tem sido o Circo Voador, misto de gafieira e casa de espetáculos instalada numa praça atrás dos Arcos. Voltam a conviver sob os Arcos da Carioca as muitas faces da cidade. Nas mesmas calçadas caminham boêmios e catadores de papel, apressados comerciários lutando por um lugar nos milhares de ônibus que circulam diariamente onde, há dois séculos, pastavam vacas à beira de uma lagoa.
A Lapa foi urbana, suburbana e rural. Depois de nascer de novo sob o signo dos conventos e seminários, teve uma vida das mais atribuladas, de rainha da noite da cidade. Palco da obra mais ousada de seu tempo, os Arcos da Carioca chegam ao Século XXI, cheios de vitalidade, transformando-se novamente em coração noturno do centro da cidade.


Saiba mais
Adaptação do texto original constante da publicação “Arcos da Lapa 1755 a 1991- Um passeio no tempo” – Instituto de Planejamento Municipal – 4ª edição - 1991
Revisão e adaptação: Sônia Maria Queiroz de Oliveira e Natércia Rossi
Colaboração: Edwilson da Silva e Neide Carvalho Monteiro
A publicação "Arcos da Lapa 1755 a 1991 - Um passeio no tempo" está à venda na livraria do Instituto Pereira Passos - Rua Gago Coutinho, nº 52 - Laranjeiras - Rio de Janeiro - tel 2555-8083
e-mail: livrosipp@pcrj.rj.gov.br

29.11.07

O Meu País

Composição: Livardo Alves - Orlando Tejo - Gilvan Chaves Gravada por Zé Ramalho

Tô vendo tudo, tô vendo tudo
Mas, bico calado, faz de conta que sou mudo
Um país que crianças elimina
Que não ouve o clamor dos esquecidos
Onde nunca os humildes são ouvidos
E uma elite sem deus é quem domina
Que permite um estupro em cada esquina
E a certeza da dúvida infeliz
Onde quem tem razão baixa a cerviz
E massacra - se o negro e a mulher
Pode ser o país de quem quiser
Mas não é, com certeza, o meu país

Um país onde as leis são descartáveis
Por ausência de códigos corretos
Com quarenta milhões de analfabetos
E maior multidão de miseráveis
Um país onde os homens confiáveis
Não têm voz, não têm vez, nem diretriz
Mas corruptos têm voz e vez e bis
E o respaldo de estímulo incomum
Pode ser o país de qualquer um
Mas não é com certeza o meu país

Um país que perdeu a identidade
Sepultou o idioma português
Aprendeu a falar pornofonês
Aderindo à global vulgaridade
Um país que não tem capacidade
De saber o que pensa e o que diz
Que não pode esconder a cicatriz
De um povo de bem que vive mal
Pode ser o país do carnaval
Mas não é com certeza o meu país

Um país que seus índios discrimina
E as ciências e as artes não respeita
Um país que ainda morre de maleita
Por atraso geral da medicina
Um país onde escola não ensina
E hospital não dispõe de raio - x
Onde a gente dos morros é feliz
Se tem água de chuva e luz do sol
Pode ser o país do futebol
Mas não é com certeza o meu país

Tô vendo tudo, tô vendo tudo
Mas, bico calado, faz de conta que sou mudo

Um país que é doente e não se cura
Quer ficar sempre no terceiro mundo
Que do poço fatal chegou ao fundo
Sem saber emergir da noite escura
Um país que engoliu a compostura
Atendendo a políticos sutis
Que dividem o brasil em mil brasis
Pra melhor assaltar de ponta a ponta
Pode ser o país do faz-de-conta
Mas não é com certeza o meu país

Tô vendo tudo, tô vendo tudo
Mas, bico calado, faz de conta que sou mudo

O Brasil, o IDH da Onu e a revista MAD...

Certamente a ONU adotou critérios políticos para a inclusão do Brasil entre os 70 países do mundo com maior IDH. Nada, além disso, justifica tamanha falácia.
Nasci e me criei na Baixada, em Duque de caxias, e posso afirmar que em termos de IDH aquela região esta mais próxima da idade média que do século 21. Por incrível que pareça, no entanto, há muitas outras regiões no País com IDH muito abaixo da Baixada Fluminense

Trabalho com saneamento, e nossa estrutura, não apenas regional, mas nacional, em termos de coleta e tratamento de esgôto, elemento fundamental para o IDH, é sofrível.
No Rio de Janeiro, diga-se de passagem, ocorreram investimentos pesados nessa área no Governo passado. No resto do Brasil, não. Em São Paulo, por exemplo, preferiram estabelecer metas exclusivamente finaceiras para a SABESP, concepção atrasada do ponto de vista social que agora, infelizmente, foi adotada também no Rio de Janeiro. O que significa que o aspecto social, humano e salutar do saneamento foi abandonado.

A divulgação, e pior, qualquer comemoração pelo fato do Brasil ter sido incluido nesta lista é extremamente perigosa. Temo que os Governantes considerem que tenhamos chegado às portas do paraíso. Mas obviamente isso é uma grotesca inverdade.

Há uma canção chamada "O Meu País", gravada por Zé Ramalho, que em um de seus versos diz que o Brasil se recusa a sair do terceiro mundo. É mais ou menos isso. Quem deveria estar trabalhando para uma evolução real da qualidade de vida do povo brasileiro vai passar os próximos meses, ou quem sabe anos, comemorando esta vitória de Pirro. Algo lamentável e trágico.
Isso é coisa de maluco. Por isso vai, aí em cima, a foto do garoto com cara de retardado, Alfred E. Neuman, que era símbolo da antiga revista MAD. Dizem que la nos EUA esse garoto cresceu e acabou virando Presidente.

23.11.07

Portal do tempo

É o último dia de dezembro
Tu te perguntas se estás mesmo pronto
Pensa em quem vai
Dali
Sair correndo
Ou em quem vai
Ficar
Juntando escombros

Em como vão reagir os amigos
Os inimigos
Os desconhecidos
Pensa nos anos todos sucumbidos
E nas vitórias
Nos milhões de planos

E tu te sentas
Calmo
Na poltrona
Bebes de um gole só o desespero
Da esperança
Criada em cativeiro
Tira os suportes
Para próxima semana
Próximo mês
Talvez
Próxima era

Pra se molhar
Os dedos na quimera
E rabiscar na tela outros anos

E se uma bomba explodir
Aflita
Na tua rua ou na tua cama
Saber que a bomba
Mente
Traí
Engana
E que em momento algum ela te habita

Dentro de ti há árvores seculares
Flores diversas
Cores variadas
Texturas próprias
Fontes preparadas
Para fluir até o fim dos dias

E se a bomba parecer potente
Basta sabe-la vil
Covardemente construída
Para impedir a vida
De ampliar seus ramos
Pela nova estrada

Basta saber
Que não há de ser nada
Que os dias vem e vão
Indiferentes

Bombas e balas
Não são suficientes
Para impedir teu sonho em movimento

Abra o champanhe
Comemore a glória
De ver a vida abraçada à história
Atravessando o portal do tempo

Vicente Portella

19.11.07

Amores

Não quero mais te falar de amores
As dores e as cores das flores
Se adentram
Se fundem
Se encontram em um mesmo tom
Leia, amor, os príncipes
De Maquiavel e Exupéry
Um anjo é mau o outro é bom
Dê seus ouvidos aos loucos
Todas as flores do mundo são poetas mortos
Poetas são meros amontoados de amores vãos
Leia, amor, os cânticos
As odes
E os nobres poemas de um autor qualquer
Leia, amor, os Clássicos
Mas não vá se perder, por favor, na paixão dos românticos
Meu mal (eu não sei) me parece de amor
Pode ser vaidade
E vai a idade chegando e a coisa se agrava
(Perdão, eu roubei para mim este verso do Afonso)
- Um poema escrito pra ti com um verso roubado -
Eu sou mesmo um sonso
Mas você
Não será nunca a moça
Que está no portão
Assim como eu não serei
Jamais um menestrel
Nem Milton
Eu sou um qualquer indivíduo da plebe
Que ama, que chora, faz sexo, tem febre
E paga aluguel
Perdoe amor, sou fraco
Em geografia da fome Josué de Castro
Expõe menos dores que aquelas que trago no meu coração
Eu nunca mais te componho em poema ou canção
Não faço
Mais nenhum verso pra ti
Quando os amores acabam
Desabam
E não deixam rastros
Os padres (eu acho)
E os bispos de um modo geral
Não padecem de forma alguma deste estranho mal
Perdoe, amor sou prático
Meu lado lunático não mais me permite compor poesias pra ti
Adeus, amor, um abraço
Agora eu já disse à você quase tudo
Não tudo, mas quase
Meus versos me aprazem
Já posso partir



Vicente Portella

Teus

Dedos meus
De mãos, de pés
Que ao invés de serem de outros eus
São meus e andam de viés

Pelos meus
Cabelos
Que são teus por tantas vezes
Tanto quanto as veias
Falsas veias dos meus pés
Meio minhas
Montes
Tantas vezes tão sozinhas
Me parecem na verdade
Naufragando os olhos teus

Corpo meu
Tão meu, tão torto
Me parece mais
Teu corpo
Entre o porto e o mar que é teu

Marca, é teu
Os dedos, mãos e pés
Cabelos, pelos
Todos
Boca, corpo
Tudo
Mesmo o mar
A marca
O monte
A meia
A veia
E a lágrima do mar
E o ar
E os olhos meus

Marca, é teu
Pode levar



Vicente Portella

8.11.07

Covardia e insanidade

A insanidade e a covardia se apossaram mais uma vez do Rio de Janeiro. Ao contrário de outras vezes, no entanto, experimentei ambas hoje bem de perto. A vida de um amigo meu, Léo, foi roubada, tomada pela ignorância humana atualmente à serviço do caos.
O jovem cabo Leonardo Peterson de Freitas, além de amigo pessoal, era um policial sério, honrado e extremamente querido e respeitado por amigos e vizinhos do Bairro Olavo Bilac, em Duque de Caxias, onde nasci e fui criado. Conheci-o, inclusive, exercendo a nobre tarefa de auxiliar amigos em dificuldades, coisa rara no mundo em que vivemos hoje.

A história de seu assassinato pode ser lida nos jornais de hoje. Ou nos de ontem e, infelizmente, nos jornais também de amanhã: Um policial absurdamente morto por traficantes em uma favela do Rio. Desta vez, foi no Andaraí. E claro, agravou soberbamente a minha indignação por tratar-se de um amigo. Mas fico pensando quantos outros amigos ja choraram tantas outras mortes igualmente absurdas e insanas inspiradas na covardia? É inumano imaginar que um Estado ou um Páis, que um povo inteiro, possa viver assim. Refén da morte, do crime e principalmente do ente público que lhe cobra impostos em nome da organização social.

Amanhã certamente não haverá uma cruz nas areias de Copacabana para homenagear a memória do meu amigo, pois o movimento "Viva Rico" tem limitações tanto geográficas quanto sociais.

Mas tanto nós do Olavo Bilac, quanto seus companheiros de farda - que subiram o morro chorando para capturar seus assassinos - e até mesmo, certamente, as pessoas de bem moradoras daquela comunidade pobre que conheciam e conviviam com Léo, saberemos honrar sua memória.

Confirmado: na Suiça também tem ladrão

Deu no Blog do Garotinho...

PF revela interesse de bancos
suíços nas fortunas do Brasil

Não, a foto acima não é de um traficante perigoso capturado pela polícia e retratada nas páginas policiais dos jornais. Trata-se de Luc Depensaz, funcionário do banco Suíço UBS, acusado pela Polícia federal de colaborar com sonegadores brasileiros abrigando fortunas em seu país.

A Polícia Federal desencadeou ontem (07/11) a Operação Kaspar II na qual foram presas 20 pessoas, entre empresários brasileiros, doleiros e funcionários suíços das instituições bancárias daquele país suspeitas de envolvimento com a quadrilha.

O UBS nada mais é do que o líder mundial na gestão de fortunas. O banco informou num comunicado oficial que seu funcionário *Luc Depensaz) preso pela Polícia Federal é baseado na Suíça. Entretanto, o banco não soube explicar o que ele fazia no Brasil. O UBS é acusado, juntamente com o Clariden Leu, também de bandeira suíça, de envolvimento num esquema milionário, responsável por profundas perdas causadas ao Fisco brasileiro. Estima-se que o grupo sonegou algo em torno de R$ 1 bilhão em impostos.

Nos últimos tempos, os bancos suíços vêm montando grandes estruturas em seus escritórios em Genebra e Zurique para atender a clientes brasileiros. O UBS e o Credit Suisse contrataram funcionários brasileiros e outras instituições têm oferecido até aulas de português a seus executivos.

Nem parece que vivemos num país onde a miséria e a fome ainda insistem em povoar nossa realidade, contrastando com o alto padrão de vida ostentado por uma parcela irrisória da população.

( Reproduzido do blog do ex-governador Garotinho )

2.11.07

Autofágico

Preciso arrumar as coisas
A poeira, os CDs, as contas espalhadas
As Pagas e as não pagas
Coisas mortas e coisas avivadas
periodicamente
Na minúcia de cada gesto inútil

Preciso arranjar alguém para bater o tapete
Para abrir vez em quando a janela
E deixar entrar algum ar pela casa
Nem que seja só para reforçar a impressão
De que a mesma dispõe de habitantes vivos

Preciso trocar de lugar os livros
Tirar o pó da estante
Ligar a televisão
Fazer algum barulho
Por mais ínfimo que seja
Para que os vizinhos não percebam
O silencio da solidão

Preciso gritar
Chorar talvez
Ou dar gargalhadas
Para tentar passar a idéia
De que há gente zanzando
Bebendo e se divertindo
No apartamento vazio

Quiçá até seja prudente
Berrar pela janela aberta
Pro povo que anda na rua
- Traga pra cá mais cerveja
Mais coca, vodca e vinho
Vamos brindar a incerteza

Preciso limpar a casa
Tirar, lavar as cortinas
Degelar a geladeira
Jogar muita coisa fora

Por uns quadros na parede
E fugir do apavoramento
Que causa o espaço morto

Preciso enganar o vento
Abrir a porta e faze-lo
Passar por dentro da sala
Soprar sobre as coisas todas
E sentir-se aconchegado

Preciso ir ao mercado
Preparar comes e bebes
Montar uma mesa farta
Fingir extrema alegria
E esperar os convidados
Ouvindo antigas canções

E então sentar no sofá
Beber minha própria bebida
Olhando os prédios lá fora

A certeza mais amiga
No inverno esta no conhaque
E no verão na cerveja

É fato, se ninguém chega
Ninguém também vai embora.



Vicente Portella

28.10.07

Carlitos na Lapa

Fugindo da lembrança de nossos toscos governantes fui tomar um chope no Carlitos, na Lapa, um bar que fica exatamente no entroncamento entre a Rua do Riachuelo e a Mém de Sá. A frente do bar é escancarada para os Arcos da Lapa e o mesmo tem como vizinho o circo voador, que fica bem ao lado. O chope é bom e a comida é simples e muito boa. Mas acima de tudo a localização estratégica do bar agrada bastante.
De um lado, esquerdo ou direito, conforme a posição que se ocupa à mesa, tem-se a visão da Catedral metropolitana do Rio de janeiro, o que por si só é uma bela visão, além da Fundição progresso, inspirando naturalmente concepções artísticas e culturais. Bem à frente, como já disse, estão os arcos da Lapa, naturalmente monumentais, e um pouco mais adiante, fácil de perceber, está o belíssimo painel que ornamenta o paredão da escola de música da UFRJ. Um turista ficaria extasiado, mas o carioca se sente em casa.
O garçom, seu Abreu, é gente boníssima e nos informa que o bar funciona 24 horas aos fins de semana. Os boêmios agradecem, é claro. A Lapa respira cultura, e como boêmia e cultura caminham lado á lado, o Carlitos funciona como um de seus vários pulmões.
Quem conhece já sabe, mas pra quem não conhece posso afirmar: vale a pena tomar um chope no Carlitos. Vai lá que certamente você vai gostar.

Retrato brasileiro

Senti-me bastante angustiado com a postura nazi-fascista do Governador Sérgio Cabral Filho. Essa coisa de defender a esterilização em massa de mulheres pobres é muito cruel para a minha geração. A tentativa de entender tamanha boçalidade me levou a reflexões várias.
Vivemos hoje em um País completamente idiotificado tanto do ponto de vista cultural quanto do humano. Em um universo de 180/190 milhões de brasileiros, apenas cerca de 100 mil têm o hábito da leitura. Destes, a grande maioria lê e absorve cultura, de um modo geral, completamente alheia a sua própria identidade. Não temos de fato estruturas culturais. Nem de literatura, nem de cinema, nem de música... Não temos nada. Isso se da, por sua vez, por conta da inexistência de um projeto educacional que permita à nossas crianças aprender a ler e compreender um mínimo que seja de sua própria história enquanto ser humano e enquanto povo. Ou seja, nosso processo autofágico se arrasta há décadas e todos nós temos assistido a isso passivamente.
Se por um lado, entre as camadas pobres, essa inexistência de organização social satisfatória gera a miserabilidade, a desesperança e o crime, por outro, entre os ricos, o resultado que temos é uma casta de dirigentes políticos completamente despreparada para exercer qualquer cargo público. Mas o exercem por que a parcela maior da população, bestializada e sem referências, elege esta minoria igualmente desqualificada para o que se propõe.
Se fizermos uma análise superficial das nossas casas legislativas, desde as Câmaras municipais até o congresso nacional, passando pelas Assembléias Legislativas estaduais, poderemos perceber com facilidade que, pelo menos 70% de seus parlamentares, não tem a menor idéia do que signifique seu mandato. Um mandato eletivo, no Brasil de hoje, não representa nada além de uma possibilidade de bons negócios.
No poder executivo a coisa se repete. Municípios, Estados e Federação, salvo raríssimas exceções que apenas confirmam a regra, são dirigidos ou por déspotas nada esclarecidos, ancorados na falta de conhecimento geral da população no que diz respeito ao poder público, ou por espertos negocistas, ambos compromissados apenas com seus interesses pessoais, geralmente financeiros.
Como se não bastasse há ainda as grandes corporações industriais – principalmente na área de comunicação, mas não apenas nesta, sempre dispostas a intervir, seja financiando campanhas ou manipulando a opinião pública, para garantir a vitória de seus parceiros eventuais.
Esta é, por assim dizer, a receita do caos. É assim que nascem, ou como prefere o Governador, são fabricados, governantes tão nocivos à sociedade quanto qualquer traficante de favela. Gente que teu seu êxito sustentado pela desgraça absoluta da maioria das pessoas. Gente que não vale o ar que respira.
Estamos, enfim, atravessando um processo social complexo, mas vamos superá-lo. Certamente teremos a capacidade, em um futuro que espero bem próximo, de banir esta atual casta dirigente da história de nosso País, desde os Municípios até a Federação. Aí sim, vamos construir a organização social que nos é necessária.

25.10.07

Sérgio Cabral, o Herodes pós moderno

Creio que Sérgio Cabral esteja com algum problema grave. Deve ter batido com a cabeça em alguma pedra em uma das várias viagens que fez desde a posse. Só isso explicaria seu comportamento. Ou então foi o tal vírus que, dizem as más línguas, atacou seu cérebro há alguns anos, quando ainda era Deputado Estadual, graças à ingestão de carne de porco com procedência duvidosa.
Sinceramente, eu achei que, depois das declarações elitistas de "Biltrame", o governador fosse desautorizar seu Secretário publicamente e berrar, em alto e bom som, que todos os cidadãos são iguais perante a lei. O que, aliás, determina nossa constituição.
Ao invés disso, no entanto, Cabralzinho foi pra mídia, no melhor estilo Herodes, defender o extermínio de fetos gerados em úteros pobres em nome de um pseudo combate à violência. Trata-se de algo além do abominável.
Não há registro na história da humanidade de um governante qualquer que defendesse tamanha insanidade. O próprio Herodes, quando promoveu o extermínio de bebês o fez em nome do poder e não em nome da ordem social. Nem Hitler teve coragem suficiente para proferir um discurso nesse sentido, o que deixa Cabral a direita dos mais reacionários líderes que se tem notícia.
Não satisfeito em professar o extermínio de fetos, Cabral ainda se deu ao luxo de afirmar que os úteros das mulheres pobres são uma “Fábrica de produzir marginais”. Até Hitler e Mussolini, caso estivessem vivos, se chocariam com uma declaração destas.
No auge de sua aguda crise, uma verdadeira overdose fascista, o Governador chegou a comparar a taxa de nascimento da Lagoa Rodrigo de Freitas com a da Rocinha como justificativa básica para a esterilização em massa dos favelados. Qualquer teórico fascista se sentiria humilhado diante do discurso do chefe do executivo Fluminense.
Em nenhum momento ocorre a Cabral a necessidade de adoção de políticas públicas para resolver os problemas sociais, isso seria pedir muito. Promover educação, cultura, saúde, habitação, saneamento e um mínimo de dignidade aos cidadãos é tarefa difícil e, claro, onerosa. Mas os impostos que pagamos servem exatamente para isso.
Sérgio Cabral caminha à passos largos para se tornar o pior Governante da história brasileira e, infelizmente, meu voto no segundo turno me torna um pouco responsável por esta lástima.
Vou procurar algum amigo advogado e estudar a possibilidade de uma ação, nem que seja no Procon, exigindo meu voto de volta. Não quero ser conivente com a criação de um novo Estado nazista.

24.10.07

Chove chuva...chove sem parar

Tá chovendo muito por aqui, mas isso todo mundo sabe. O que ninguém sabe é do meu receio de que a Lapa se transforme naquela cidade submersa da música do Chico, Futuros amantes. Fiquei tão impactado com a chuva que, preso dentro de casa, tive a impressão de ter visto o Bar Brasil passar boiando pela minha janela.

Mas na verdade essa chuva é boa, muito boa. O sistema de abastecimento de água já estava quase comprometido por conta da estiagem. No interior já tinha rio sequinho. Só fico me perguntando se precisava cair toda a água disponível no planeta num dia só. Mas enfim, esse não é meu departamento e o nosso amigo lá em cima deve saber o que faz.

Há também outros pontos positivos nessa chuvarada. Pela primeira vez em muito tempo os jornais de TV não abrem e fecham suas matérias falando mal do Rio de janeiro, o que já é um avanço. No máximo estão dizendo que o Rio virou um rio, e isso, justiça seja feita, é verdade. O túnel Rebouças que o diga. Se caísse um pouquinho mais de terra no desabamento o túnel se tornaria obsoleto, pois a passagem entre zona norte e zona sul estaria finalmente desimpedida.

Achei engraçado o Prefeito maluquinho botar a culpa na Cedae. Chove de matar sapo afogado e o cara diz que a culpa é justamente da Cia. de águas. Se ele estivesse dando entrevista da Califórnia, diante dos incêndios que rolam por lá, culparia os bombeiros. Ou então o Arnold Shuarzeneger, por interpretar mal a situação. E ainda dizem por aí que o Marketing político é coisa de gente inteligente. Ledo engano. Política é cada vez mais a arte de por a culpa em alguém, e nisso César Maia é mestre.

Enfim, é isso. Amanhã o dia deve ser de sol e espero que o brilho se espalhe por todo o Rio de janeiro. E se o sol não vier amanhã vem depois e tudo certo. O Rio é solo sagrado. E se consegue sobreviver aos seus governantes não é a chuva que vai vencê-lo.

23.10.07

O extreminador de favelados

Como diria o Capitão Nascimento, esse tal de Beltrame, Secretário de segurança do Rio, é um fanfarrão. “Biltrame” provou que é mesmo um biltre, e faz jus ao nome, no seminário sobre segurança publica que rolou na FGV nessa terça, dia 23. A mula gaúcha disse com todas as letras: “Um tiro em Copacabana é uma coisa. Um tiro na Coréia (Zona Oeste) é outra.”
Trata-se, portanto, não apenas de um idiota, mas acima de tudo, de um elitista, moralmente incapacitado para o exercício de função pública em plena democracia.
Desde que esse Biltre assumiu a segurança mata-se adoidado no Rio, mas só em áreas carentes. É como se alguém tivesse determinado que pobre “tem mais é que morrer mesmo”, no melhor estilo fascista de Adolf Hitler. Parece que estamos em pleno 3° reich.
Na verdade Sérgio Cabral, seu chefe, vem cumprindo um papel dúbio e estranho. Pra zona sul é intelectual, sensível e progressista. Mas nas áreas pobres, permite uma política de segurança que o transforma em um carrasco das favelas. Até cassada humana Serginho já andou promovendo nestas regiões através de seu secretário “Biltrame”.
Sinto-me a vontade para dizer isso, pois votei em Cabral. Jamais imaginei, no entanto, que ele fizesse nossa polícia voltar aos tempos de Chagas Freitas, ou, pior ainda, aos tempos de Marcelo Alencar, que instituiu a gratificação faroeste para os policiais que mais matassem pobres em operações.
O Rio de janeiro não merece isso. Essa visão míope de segurança pública é incompatível com os espíritos Carioca e Fluminense.
Sérgio Cabral precisa entender que não pode ser levado pela Mídia, defensora destas ações. A Mídia não governa e nem tem responsabilidades, pois não é legitimada pelo voto. E no final das contas, aliás, a culpa vai ser só de Sérgio Cabral mesmo, pois além da mídia não ter legitimidade para governar, Biltrame não tem mandato e, teoricamente, apenas cumpre ordens.
O velho Sérgio Cabral, o pai, fez muito pelo Rio, principalmente na área da cultura, trazendo o samba das favelas para o asfalto. Seria lamentável que seu filho passasse para a história como um mero exterminador de favelados.

17.10.07

Bar novo na Lapa: o Bar das quengas

Abriu um bar novo na Lapa, o “Bar das Quengas”. Na verdade não é novo, mas quando mudei pra cá estava fechado, em reforma.
Então
pra mim é novo.

O ambiente é legal, tudo muito bem transado. Garçons, ao estilo Rio antigo, vestidos de malandro típico com chapéu e tudo. Chapéu panamá, se não me engano, e usando camisa listrada, como no samba genial de Assis Valente. Isso sem falar nas garçonetes, belíssimas, cujas roupas estilísticas não me ocorrem, pois o fato de estarem vestidas soou-me como uma terrível maldade. Fiz questão de apagá-las ( as roupas, não as meninas) da memória.

Passei lá dia desses, mas como já estava vindo de outras plagas a capacidade de observação já estava consideravelmente reduzida. Era uma terça-feira, e mesmo assim estava lotado. Bebi em pé umas duas ou três cervejas em um cantinho do bar que me pareceu cuidadosamente projetado para isso: beber em pé e sentir-se bem.

Do meu ponto de visão ( não necessariamente de equilíbrio aquela altura do campeonato) pude reparar a presença de muitas mulheres bonitas, o que faz com que qualquer bar se torne ainda mais simpático e atraente, principalmente atraente.

Vou voltar lá uma hora dessas... Cerveja gelada e mulheres bonitas são sempre um lenitivo no fim dos dias estranhos, chatos, individualistas e insensíveis atravessados por todos nós atualmente.

Pra quem quiser um oásis fugidio neste nosso imenso deserto existencial, o Bar das quengas fica entre a Men de Sá, a Washington Luiz e a Ubaldino do Amaral. Praticamente em frente ao Restaurante Nova República. Vale a pena.

15.10.07

Chegou a "Tropa de elite"

Como os amigos devem ter percebido, não ando com muita vontade de escrever. Por isso tenho postado textos alheios como forma de homenagear outros autores e ocultar minha preguiça intelectual. Confesso à vocês no entanto que minha preguiça advém do fato de as coisas estarem muito ruins no Brasil.
Mas enfim, como assisti hoje, no cinema, ao filme “Tropa de Elite”, resolvi fazer uma reflexãozinha.
Já tinha assistido à famosa cópia pirata do filme e as diferenças entre esta e a oficial são poucas. Fiquei intrigado, no entanto, com o vendaval de cacetadas que alguns "especialistas" reservaram para o filme nos veículos de comunicação. Teve até um blogueiro do "Globo", cujo nome não chega a me ocorrer nem de longe, que acusou o filme de ser reacionário. Curioso, muito curioso...
Na verdade trata-se de um filme de ação, tecnicamente bem feito, que aborda o tema social de uma maneira diferente daquela convencionalmente usada na arte brasileira.
O filme não é genial, mas impactante. Não é verdade que se trate de uma abordagem do ponto de vista de um policial, como defendem alguns de seus criadores, pois não creio, sinceramente, que a maioria dos policias do Rio de janeiro viva o conflito existencial experimentado pelo personagem principal, Capitão Nascimento. A mim me pareceu mais uma abordagem política e sociológica, bem ao estilo de Luiz Eduardo Soares, co autor do livro “Elite da tropa”. E com uma visão correta em vários aspectos, diga-se de passagem.
Outra coisa a me chamar a atenção foi a estratégia usada para a divulgação do longa de José Padilha, esta sim, genial. Espalhar cópias piratas "sem querer" entre os camelos da cidade certamente foi uma coisa fundamental até para garantir a chegada do filme às telas de maneira satisfatória. Seus criadores, é claro, já tinham plena consciência da capacidade polêmica do filme e agravaram isso.
Quanto às criticas publicadas contra o filme, uma coisa me intrigado: todos os anos assistimos a uma infinidade de filmes americanos apoiados em personagens bem próximos ao Capitão Nascimento. Charles Bronsom, Chuck Norris, Vam Dame, Steve Segal e tantos outros entulham nossas telas desde os anos 60/70 com personagens cujo perfil é moldado na referencia pessoal de mundo e na capacidade de infringir a lei em nome da própria justiça. Nunca vi, no entanto, alguém acusa-los de reacionários com tanta veemência. Será que a revolta é só porque o Capitão do Bope não é dublado?
Aliás, quanto ao Bope, o filme é completamente favorável à este. Chegando até mesmo à imputar ao batalhão uma referencia anti-corruptiva em meio ao caos absoluto. E à isso, realmente, não estamos muito acostumados.
Como se sabe, vivemos no País do caos e a cada trimestre precisamos de alguém transformado em Judas ou inimigo público número 1 para purgar nossas iras.
A bola da vez é o Senador Renan Calheiros, e devemos agradecer a nossa querida imprensa por esta terapia psicanalítica coletiva.
De resto é tocar a vida entre congressistas toscos, desgovernadores e desgovernantes, sempre tendo como referência o mais absoluto caos, característica maior do Brasil. Este sim, tão reacionário quanto qualquer País terceiro mundista.
Se der certo, poderemos eleger alguém decente um dia... Quem sabe?
Se der errado, a gente convoca o Capitão Nascimento pra resolver a questão.

17.9.07

FATO CONSUMADO: Djavan despetala a flor-de-lis e toca fogo no capim do Cerrado

Na segunda metade da década de 1970, com as gravações de Fato Consumado (75), Flor-de-Lis (76) e Cerrado (78), Djavan, um jovem negro da periferia de Maceió, AL, balançava as estruturas da música popular brasileira, trazendo para o seio da “flor amorosa” mais uma das muitas possibilidades do samba.

Era a sincopação dos anos 40 levada a extremos que nem a bossa-nova ousara. Era o samba entortado e ainda mais balançado que o do “balanço zona sul” de Orlann Divo e seu chaveiro – que, aliás, está de volta. Era, enfim, o samba feito para dançar. E os frutos dessa safra bendita são, até hoje, mais de 30 anos passados, presença obrigatória no repertório de qualquer bom baile (e não arrasta-pé) que se preze.

Mas esse samba radicalmente sincopado de Djavan parece que só agradava, pelo menos no Rio, àquela parcela da população que, por razões econômicas, de moradia e de oportunidades, permanece afastada do chamado “circuito cultural”, que vai dos aeroportos aos vernissages; dos teatros às livrarias; e que, da zona sul pra cá, chega no máximo até a Candelária. Enxergando, certamente, poucas possibilidades de mercado junto a esse público de “duros”, a indústria fonográfica transnacional, pelo que supomos, parece ter convencido Djavan a jogar seu irresistível sincopado fora para produzir uma obra mais alinhada com o pop-rock hoje hegemonicamente vigente em escala planetária. Aí, o Djavan internacionalizado chegou até Stevie Wonder, Carmen McRae, Al Jarreau e Manhattan Transfer. No que fez muito bem, também achamos. Só que nós aí, literalmente, perdemos o rebolado.

Agora, lançando um novo disco (ainda não ouvimos, mas temos certeza de que é bom), Djavan volta ao samba, saúda animadoramente a Cidade Maravilhosa numa letra de levantamento da auto-estima dos cariocas e, em entrevista a O Globo (09.09.07), dispara contra os detratores de sua estética:

“– A questão é que não admitem que um nordestino, negro, filho de uma lavadeira, nascido num gueto de Maceió, no segundo estado mais pobre do Brasil, possa ter um olhar amplo e pessoal das coisas.”

E arremata Djavan, do alto de suas já venerandas tranças, jogando na lata do entrevistador aquela pergunta que todos nós fazemos há muito tempo:

“ – Você já percebeu que não existem críticos negros nas redações? Seja de música, literatura, cinema, teatro... O Brasil avançou pouco nesse campo.; um exemplo como o de Joaquim Barbosa (...) é exceção entre nós”.

A afirmação e a pergunta de Djavan – aliás, lançadas no momento em que algumas colunas de amenidades tentam desqualificar o ministro Barbosa, mostrando-o como um “famoso” deslumbrado – ficam no ar. E suas respectivas respostas podem ser a chave para entendermos porque se procura também desqualificar todo samba que busca se renovar a partir da reprodução de suas próprias células e não beijando a mão do rap, do funk, da moda hip-hop enfim.

Através do que disse Djavan, podemos pelos menos intuir o porquê de o músico negro brasileiro, quando pensa e se posiciona criticamente, ser sempre tornado invisível pela mídia dominante. E podemos finalmente ter uma idéia, nesse caso específico, do quanto é importante termos, nas faculdades de Comunicação e correlatas, tantos afro-descendentes quanto aqueles que, nas redações, nos estúdios, nos espaços onde hoje se produz, comercializa e avalia a verdadeira Cultura Nacional, servem cafezinho, fazem faxina, levam mensagens, carregam equipamentos e fazem segurança.


http://neilopes.blogger.com.br/

10.9.07

video

Arte na veia: " o dia sem lei !"

O dia sem lei! celebra 1 ano na próxima quarta, 12 de setembro!

na poesia apresentamos

as clássicas e as inéditas de Tubarão!
a arte sensível de Barbarella Jovanholi & Carlitos do Novos Uivos
Sylvio Neto e suas baitas intervenções poéticas

nas artes visuais juntamos

a exposição de fotografias intitulada Feixe Confabulado de Fernanda Augusta
com o happening e a exposição de artes plásticas do Identidade Óbvia
mais a construção Perfis Provisórios(interferência - instalação - escultura) de Pilar Rocha com participação de Bia Pimenta

no teatro vislumbramos
a Cia.2EnCena com a montagem de "Oração", do espanhol Arrabal


na música temos
a esperta tradição do samba com a Velha Guarda Musical da Grande Rio
o rock anos 70 do Magia Elétrica
e canjas por todos os lados com os camaradas que fazem o dia sem lei! acontecer


A partir das 20h30 (mesmo!), no Ponto de Cultura Lira de Ouro que fica na Rua Sebastião de Oliveira, 172. Calçadão de Caxias.

espalha pra geral que vai sair um ônibus da lapa, bem debaixo dos arcos, por volta das 19h.
O retorno tá previsto pra 00h, mais ou menos.

poesia, beijos, música, abraços, performances e afagos dos catatônicos de o dia sem lei!

29.8.07

Cidadã indignada: caridade com o dinheiro alheio

Carta aberta para Renato Aragão, o nosso Didi.
Querido Didi,

Há alguns meses você vem me escrevendo pedindo uma doação mensal para enfrentar alguns problemas que comprometem o presente e o futuro de muitas crianças brasileiras. Eu não respondi aos seus apelos (apesar de ter gostado do lápis e das etiquetas com meu nome para colar nas correspondências).

Achei que as cartas não deveriam sem endereçadas à mim. Agora, novamente, você me escreve preocupado por eu não ter atendido as suas solicitações. Diante de sua insistência, me senti na obrigação de parar tudo e te escrever uma resposta.

Não foi por "algum" motivo que não fiz a doação em dinheiro solicitada por você. São vários os motivos que me levam a não participar de sua campanha altruísta (se eu quisesse poderia escrever umas dez páginas sobre esses motivos). Você diz, em sua última carta, que enquanto eu a estivesse lendo, uma criança estaria perdendo a chance de se desenvolver e aprender pela falta de investimentos em sua formação.

Didi, não tente me fazer sentir culpada. Essa jogada publicitária eu conheço muito bem. Esse tipo de texto apelativo pode funcionar com muitas pessoas mas, comigo não. Eu não sou ministra da educação, não ordeno as despesas das escolas e nem posso obrigar o filho do vizinho a freqüentar as salas de aula. A minha parte eu já venho fazendo desde os 11 anos quando comecei a trabalhar na roça para ajudar meus pais no sustento da família. Trabalhei muito e, te garanto, trabalho não mata ninguém. Estudei na escola da zona rural, fiz supletivo, estudei à distância e muito antes de ser jornalista e publicitária eu já era uma micro empresária.
Didi, talvez você não tenha noção do quanto o Governo Federal tira do nosso suor para manter a saúde, a educação, a segurança e tudo o mais que o povo brasileiro precisa. Os impostos são muito altos! Sem falar dos impostos embutidos em cada alimento, em cada produto que preciso comprar para minha família.

Eu já pago pela educação duas vezes: pago pela educação na escola pública, através dos impostos, e na escola particular, mensalmente, porque a escola pública não atende com o ensino de qualidade que, acredito, meus dois filhos merecem. Não acho louvável recorrer à sociedade para resolver um problema que nem deveria existir pelo volume de dinheiro arrecadado em nome da educação e de tantos outros problemas sociais. O que está acontecendo, meu caro Didi, é que os administradores, dessa dinheirama toda, não tem a educação como prioridade. O dinheiro está saindo pelo ralo, estão jogando fora, ou aplicando muito mal. Para você ter uma idéia, na minha cidade, cada alimentação de um presidiário custa para os cofres públicos R$ 3,82 (três reais e oitenta e dois centavos) enquanto que a merenda de uma criança na escola pública custa R$ 0,20 (vinte centavos)!

O governo precisa rever suas prioridades, você não concorda?

Você diz em sua carta que não dá para aceitar que um brasileiro se torne adulto sem compreender um texto simples ou conseguir fazer uma conta de matemática. Concordo com você. É por isso que sua carta não deveria ser endereçada à minha pessoa. Deveria se endereçada ao Presidente da República. Ele é "o cara". Ele tem a chave do cofre. Eu e mais milhares de pessoas só colocamos o dinheiro lá para que ele faça o que for necessário para melhorar a qualidade de vida das pessoas.


No último parágrafo da sua carta, mais uma vez, você joga a responsabilidade para cima de mim dizendo que as crianças precisam da "minha" doação, que a "minha" doação faz toda a diferença. Lamento discordar de você Didi. Com o valor da doação mínima, de R$ 15,00, eu posso comprar 12 quilos de arroz para alimentar minha família por um mês ou posso comprar pão para o café da manhã por 10 dias.

Didi, você pode até me chamar de muquirana, não me importo, mas R$ 15,00 eu não vou doar. Minha doação mensal já é muito grande. Se você não sabe, eu faço doações mensais de 27,5% de tudo o que ganho e posso te garantir que essa grana, se ficasse comigo, seria muito melhor aplicada na qualidade de vida da minha família.

Você sabia que para pagar os impostos eu tenho que dizer não para quase tudo que meus filhos querem ou precisam? Meu filho de 12 anos quer praticar tênis e eu não posso pagar as aulas que são caras demais para nosso padrão de vida. Você acha isso justo? Acredito que não. Você é um homem de bom senso e saberá entender os meus motivos para não colaborar com sua campanha pela educação brasileira.

Outra coisa Didi, mande uma carta para o Presidente pedindo para ele selecionar melhor os professores. Só escolher quem de fato tem vocação para o ensino. Melhorar os salários, desses profissionais, também funciona para que eles tomem gosto pela profissão e vistam, de fato, a camisa da educação. Peça para ele, também, fazer escolas de horário integral, escolas em que as crianças possam além de ler, escrever e fazer contas, possam desenvolver dons artísticos, esportivos e habilidades profissionais. Dinheiro para isso tem sim! Diga para ele priorizar a educação e utilizar melhor os recursos.

Bem, você assina suas cartas com o pomposo título de Embaixador Especial do Unicef para Crianças Brasileiras e eu vou me despedindo assinando...

Quinta, 23 de agosto de 2007.

Eliane Sinhasique

Mantenedora Principal dos Dois Filhos que Pari

P.S.: Não me mande outra carta pedindo dinheiro. Se você mandar, serei obrigada a ser mal educada: vou rasgá-la antes de abrir.

23.8.07

FEBEAPA - Cabral da um tiro na testa...de Getúlio

Santa ignorância...
Sergio Cabral, Governador e jornalista profissional, em aula magna na UniverCidade, deu uma demonstração clara aos alunos da instituição do porque chegamos ao estado de coisas atual. O que deveria ser uma aula de história transformou-se em uma catástrofe, no melhor estilo "Samba do crioulo doido". Se Stanislaw Ponte Preta, o saudoso Sérgio Porto, estivesse entre nós, Cabralzinho certamente ganharia destaque em uma nova versão do FEBEAPA - Festival de besteira que assola o País.

De cara, Cabralzinho "ensinou" aos alunos que Getúlio Vargas deu um tiro na testa. Na verdade Getúlio siucidou-se com um tiro no coração em 24 de agosto de 1954.

Não satisfeito, o "professor" garantiu que Jango foi Ministro de JK, mas o fato é que Jango foi vice de JK e Ministro do Trabalho de Getúlio.

Cabral tambem afirmou que a aliança entre EUA e URSS na segunda guerra mundial chamava-se Eixo, quando na verdade esse era o nome do grupamento liderado pela Alemanha de Hitler e pela Italia de Mussolini. O Outro grupamento, vencedor da guerra, tendo EUA e URSS à frente, eram os "Aliados". Aliás, Cabral teve a coragem de confundir Mussolini, o líder fascista, com Fellini, o brilhante cineasta. Um insulto.
Há quem garanta que ouviu um assessor cochichando com outro: “Vai virar chacota de tanta besteira que falou. Até nisso está imitando o Lula. Mas também não ouve mais ninguém, só faz o que quer e acha que é dono-da-verdade”.

Os alunos não fizeram nehuma pergunta a Cabral no final da palestra, pois preferiram comemorar o fato do Governador defender a legalização da maconha. O que de certa forma pode até explicar a performance do confuso Governador.

Eu, particularmente, quando li a notícia lembrei de um antigo samba do Dicró cuja lentra, em determinado momento, diz o seguinte:
Levou a merenda esqueceu do caderno
Vai ser burro assim no inferno...

20.8.07

Um governo de muletas

Há certas questões em que a genética não influencia absolutamente nada. Como pode um governador que é filho de uma professora com um conselheiro do Tribunal de contas do município ser tão mau, tão insensível em relação aos servidores públicos?
O reajuste imposto pelo governo de 25% em dois anos não chega nem a ser ridículo. Na verdade uma proposta completamente ridícula seria pelo menos o dobro do reajuste que foi estabelecido e com um prazo bem mais curto para a aplicação. E o que é pior: não se deram nem ao luxo de ouvir ninguém, de receber os representantes dos trabalhadores. Nem sequer fingem ser um governo democrático.
O Governo diz que não tem dinheiro. Mentira. O secretário Joaquim Levy vive por aí se orgulhando do dinheiro que juntou nesses oito meses no cargo. O problema é que nunca tem dinheiro para o que é importante, pois o Governo tem valores inversamente proporcionais ao da sociedade.
Duvido que qualquer cidadão em sã consciência considere que um professor não mereça um salário digno ou que importante mesmo seja gastar dinheiro com essas bobagens que os governos atuais consideram fundamentais. Não creio que ninguém defenda a tese de que um policial tem que por sua vida em risco em troca de um salário medíocre.
Mas essa, infelizmente, é a lógica dos governantes chamados neoliberais. Ao estado, sua máquina e seus servidores, nada. Aos banqueiros, via superávit primário, tudo.
Perguntar não ofende: o que o secretário Joaquim Levy pretende fazer com os 2 bilhões que tem em caixa, segundo ele próprio?
E mais: se não for para investir nos serviços essenciais à população, inclusive nos servidores que prestam estes serviços, para que serve o Estado? Para que pagamos impostos?
Com a palavra o Governador

Vestibular para candidatos

Eu estava aqui matutando – como bom matuto... Bem que poderiam inventar um vestibular para políticos. Não nos moldes tradicionais, é claro, pois a intenção não seria - nem poderia ser - auferir o nível acadêmico do candidato. Isso não seria democrático. Até porque tem muita gente boa por aí que, mesmo analfabeta, tem mais cultura e inteligência na ponta de um dedo do que muitos secretários que andaram respondendo pela pasta Cultura em vários governos municipais, estaduais, e até bem pouco tempo, federais. Esse vestibular que elucubrei seria diferente de todos.
O primeiro teste seria para avaliar a relação entre o candidato e o dinheiro. Pondo o cara trancado numa sala ao lado de uma mesa apinhada de dólares, uma comissão avaliaria suas reações. Se esfregasse as mãos estampando um sorriso abobalhado no rosto já estaria reprovado de cara. Se desse um sorriso daqueles que esboçam superioridade no manuseio da questão também. No primeiro caso ficaria claro que o sujeito quer um mandato só pra ficar rico, e no segundo, só pra aumentar sua fortuna.
Segunda prova: o candidato tem que nomear dirigentes para 5 estatais, numa lista de dez instituições públicas: Bancos, fundos de pensão, Cias de habitação, água e esgoto, Escolas, hospitais etc. Se começar pelos bancos e fundos de pensão, já sabe, pau nele. Essa é tão óbvia que se posta em prática quase todo o congresso nacional ficaria sem direito a uma nova candidatura.
Na terceira etapa seria avaliada a capacidade do candidato de ficar sozinho com uma mulher bonita. Algo assim teria poupado tanto Fernando Henrique como Renan Calheiros de uma baita dor de cabeça. Afinal de contas ambos engravidaram jornalistas da Rede Globo e, apesar das penas diferenciadas, ficou provado que nenhum dos dois consegue resistir aos pecados da carne. Nada demais, caso não fosse a gente que pagasse a conta depois.
Outro teste poderia ser o de resistência: depois de estabelecida a opinião do candidato sobre uma determinada questão, dez lobistas diferentes o visitariam, cada um com uma proposta mais irrecusável que a anterior para que esta posição fosse mudada. A nota seria de acordo com a capacidade de o candidato resistir a um n° maior de lobistas.
Enfim... Inúmeros outros testes poderiam ser incluídos nesse vestibular: tamanho da cueca, conhecimentos gerais de banqueiros, corrida ao dólar e até mesmo um teste de apreço pessoal do candidato por seus familiares.
Nada disso, é claro, impediria a podridão reinante. Mas pelo menos seria engraçado vê-los se sujeitando a tudo isso e tentando enganar a banca examinadora em nome do exercício do poder.

6.8.07

Eu também cansei...mas foi muito antes

Muito antes dos guerrilheiros dos Jardins, eu já havia cansado. Cansei, por exemplo, de ver essa elite sebosa vomitando regras a serem seguidas pelo povão. Cansei de ver o dinheiro brasileiro concentrado em meia dúzia de mãos enquanto a grande maioria agoniza à olhos vistos. Cansei de ver o povo, que sustenta essas mesmas elites, sem trabalho, sem casas, sem hospitais dignos. Cansei de ver os riquinhos no poder dizendo para os pobres comerem brioches na falta de pão. Cansei das marchas especializadas em defender poderes absolutos para quem tem família rica, tradição e propriedade. E eles diziam que a marcha era com Deus, pois até Deus eles consideram uma propriedade deles.
Cansei, mas cansei mesmo, de assistir ao comportamento dessa gente quando está no poder. De vê-los idolatrar a América e ridicularizar o Brasil e sua gente. De ouvi-los defender o lucro em detrimento do ser humano, a crucificação dos pobres - e negros - e o recrudescimento das leis contra aqueles que não tem dinheiro, que não tem eira nem beira.
Cansei de ver essa gente rica conspirando contra qualquer governo que não tenha nascido de seu próprio ventre, desde Getúlio, passando por Jango e Brizola, até os dias de hoje. Cansei de ler os artigos de seus asseclas desqualificando o povo para o direito do voto, alegando que este não estaria preparado para escolher seus representantes. Cansei de ver estes mesmo personagens, e seus pais, e seus avós, e seus bisavós, reivindicando uma sociedade escravocrata, onde trabalhadores não teria direito sequer aos benefícios da CLT. Aliás, estas mesmas vozes costumavam dizer que a abolição da escravatura representaria a falência do País, pois os donos da riqueza não poderiam suportar a “perda” de mão de obra gratuita.
Cansei de ver essa elite branca e rica desprezar e humilhar o povo. De vê-los defender ações políticas covardes e mesquinhas unicamente para garantir-lhes o exercício do poder.
Cansei, mas cansei de verdade. Cansei ainda antes de nascer. Cansei durante os anos a fio em que esta súcia governou o Brasil e transformou-o no que ele é hoje.
E justamente por estar cansado, obrigo-me a estar mais atento. De olhos mais abertos para estas manobras ilegítimas e golpistas contra a democracia e contra o povo brasileiro.
Como dizia a canção, é preciso estar atento e forte. As viúvas da ditadura estão aí, batendo a nossa porta. Tão acostumados estão a tomar para si as riquezas do Estado, tendo-o a seu serviço, que agora querem também tomar nossa consciência. Querem nos convencer de que somos desprovidos de inteligência e que o poder deve ser exercido absolutamente pelas elites. Temos que ter cuidado com essa gente. Eles não valem o ar que respiram.

2.8.07

Pan...Pan....Pan, Pan,Pan

Dia desses passei numa banca de jornal e as manchetes me pareceram assustadoras. Era o dia seguinte da festa de encerramento do PAN, e os jornais “Extra” e “Meia Hora” comemoravam a volta dos ataques policiais a comunidades carentes. Quando digo comemoravam, não é uma força de expressão. É fato. Um deles dizia o seguinte: “Não é ouro, nem prata, nem bronze. É chumbo”. Esta manchete era ilustrada pela foto de um policial, de aparência bastante feroz, gesticulando e com meio corpo pra fora da janela de uma viatura da corporação. O outro jornal dizia que com o fim do PAN a polícia voltava a dar um “Sacode” nas favelas. Não tive como deixar de pensar na pobreza de espírito da nossa imprensa.
Em tempos idos a coisa funcionava assim. Tempos de ditadura e esquadrão da morte. Com a redemocratização do Brasil, no entanto, lembro-me que o Governador Brizola quando empossado proibiu terminantemente as ações terroristas do Estado contra os pobres no Rio de Janeiro. A mídia não lhe deu tréguas jamais, pois o fato de não permitir o uso da força policial como estratégia de intimidação ( Como na foto acima, da década de 80 ) e muitas vezes de assassinato de inocentes, fez com que esta mesma mídia o transformasse em persona nom grata para sempre.
No decorrer dos anos, como não podia deixar de ser, a própria sociedade foi desenvolvendo valores mais próximos à civilidade e a partir de um determinado momento se chegou até a separar as imagens do criminoso e do pobre, constatando-se que uma coisa nada tem a ver com a outra.
Recentemente, porém, sofremos um grave refluxo. O atraso, a arbitrariedade e a apologia ao extermínio de pobres e negros em comunidades carentes voltaram a ser tônica nos discursos das autoridades, e com isso, é claro, aquela velha mídia retomou sua retórica fascista.
A própria questão do PAN tem uma simbologia importante quando se analisa este comportamento da mídia. Foram quase 4 bilhões em dinheiro público gastos na promoção dos jogos. Dinheiro que daria para urbanizar pelo menos algumas das muitas favelas do Rio de Janeiro, acabando com os atuais becos insalubres das comunidades carentes que servem como escudos para marginais de toda ordem. Mas a mídia não toca nesse assunto nem se interessa em fazer tais comparações.
A mídia sabe muito bem que não há no Rio grandes plantações de drogas, nem laboratórios para refino de cocaína e muito menos fábricas capazes de gerar as armas pesadas do tráfico. Assim como sabe que grande parte da criminalidade vem das drogas. Mas também não toca nesse assunto nem se interessa por ele. Prefere defender a exposição dos pobres aos ataques policiais e, quando algo ocorre fora do combinado, apontar os “culpados” com dedo em riste.
É bem mais fácil e mais lucrativo. Depois é só convidar os verdadeiros controladores do caos para uma entrevista amena, com direito a pose e discurso de pseudo-indignação. E ainda se ganha um dinheirinho extra com a veiculação das “Campanhas” pela paz, contra a corrupção e “otras cositas más”.

23.7.07

Brazil-zil-zil...( Com Z mesmo )

A mídia malha a situação e poupa a oposição, com empenho e desfaçatez dignos da medalha de ouro, recordistas mundiais. E me permito contar um episódio que remonta à segunda 16, e que não foi registrado por jornal algum, ou por qualquer órgão midiático.O governador do Paraná, Roberto Requião, naquela tarde visita o presidente Lula no Palácio do Planalto, para um encontro como de hábito cordial. Em seguida, o governador, em toda a sua corajosa imponência, dirigi-se ao Comitê de Imprensa do próprio Palácio.Requião tem sido um dos alvos preferidos dos ataques da mídia. Suas relações com os jornalistas são tensas, mas ele não hesita na provocação, e pergunta por que, em outros tempos, “vocês não falaram do filho de Fernando Henrique?” Outro rebento fora do matrimônio, como no caso de Renan Calheiros. A aventura de FHC, do conhecimento até do mundo mineral, é anterior à sua primeira eleição em 1994, e a jovem brindada pelos favores do príncipe dos sociólogos foi mais uma jornalista em atividade em Brasília, Miriam Dutra.A pergunta de Requião deixa os credenciados do comitê entre atônitos e perplexos. Alguém balbucia que a comparação não cabe, os casos são diferentes. Impávido, o governador ergue o sobrolho e clama: “Por quê?” Logo explica: “Quem sustentou o filho do ex-presidente foi, desde o nascimento, uma empresa privada, a Globo da família Marinho”.A bem da tranqüilidade familiar de FHC, e do seu desempenho na Presidência, Miriam Dutra e seu filho foram enviados ao exterior, no resguardo. Consta que voltaram para o País faz pouco tempo. Fez-se o silêncio no comitê, e o governador se foi, a dar risadas.Agora, sou eu quem pergunta: alguém leu, ou ouviu, relato desse episódio? E então, volto à carga: qual é o país do mundo que se diz democrático, e goza de liberdade de expressão, onde um governador de estado, ou qualquer figura pública importante, fala de um ex-presidente da República igual a Requião, diante de uma matilha de perdigueiros da informação, e a mídia fecha-se em copas? Não conheço outro, além do Brazil-zil-zil.

Reproduzido do Blog do Mino Carta

Várig na origem do "caos" aéreo

Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil.


. Nesta manhã de sol de inverno, entre uma partida e outra do fracasso retumbante que é o Pan do Rio, reproduzo aqui reflexões que recolhi de um amigo, que não comunga da Teologia da Privatização.

. Na origem do que a mídia conservadora (e golpista) chama de “caos aéreo” ou “apagão aéreo” está o Governo Lula deixar que a Varig fosse privatizada.
. O fim da Varig e sua compra por uma empresa privada entregaram o comércio da aviação no Brasil na bandeja para duas empresas privadas que ainda precisam provar a sua idoneidade e o respeito ao consumidor.
. TAM é o que é – como qualquer passageiro pode comprovar.
. Antes de tudo, o lucro. O serviço ao passageiro, depois a gente acerta.
. A Gol, é o que é: as mutretas com o ex-senador Roriz e o dinheiro do BRB falam por si próprios.
. Por que o Governo Lula deixou a Varig ir para o buraco ?
. Porque o Governo Lula tem medo de ser “esquerdista”.
. Porque o Governo Lula só agora, parece, vai botar a Anac atrás da TAM e da Gol.
. Porque o Governo Lula tem medo de afrontar a elite branca (e separatista, no caso de São Paulo), que se expressa na mídia conservadora (e golpista).
. Agora, os epígonos da Teoria da Privatização correm para 1) construir um aeroporto na Grande São Paulo; 2) privatizar a Infraero.
. Privatizar a Infraero será entregá-la, por exemplo ao Daniel Dantas.
. Que é capaz de vender a pista principal de Congonhas ao Beto Carreiro.
. E construir um aeroporto na Grande São Paulo ...
. É melhor, antes, dar um pulo a Lisboa e Londres.
. Há décadas que Lisboa e Londres tentam construir alternativa a Portela de Sacavém e a Heathrow.
. Lá também tem Ibama, moradores, ONGs, direitos constituídos, Constituição.
. Não é assim, construir em seis meses e encher o bolso das empreiteiras (da Linha 5...)

Reproduzido do Blog Conversa afiada, de Paulo Heinrique Amorim

19.7.07

O caos nosso de cada dia

No comecinho da década de 80 ler era um vício para nós, na época, adolescentes. Havia uma coleção chamada " Para gostar de ler", responsável por nos apresentar aos mais variados autores de crônicas e poesia do País. Lia-mos Rubem Braga, Lourenço Diaféria, Vinícius de Moraes, Carlos Drumond de Andrade, Rubem Fonseca, Luiz Fernando veríssimo e muitos outros autores. Devorava-mos de tudo, ávidamente. Um autor dessa época, Carlos Eduardo Novaes, escreveu, ainda nos anos 70, entre outros, um livro de grande sucesso chamado "O caos nosso de cada dia", uma abordagem do cotidiano brasileiro extremamente bem escrita e maravilhosamente bem humorada. Nesse livro havia uma crônica chamada "Congonhas: uma, duas, várias vergonhas". Já naquela época considerava-se um absurdo a construção de um aeroporto em uma área densamente habitada ( como se vê na foto ).
O que era humor, transformou-se em tragédia. E não apenas em uma, mas em várias tragédias no decorrer dos anos. E pior, o aeroporto de Congonhas continua lá, encravado entre prédios. E a vida de quem pousa ou decola, assim como a vida de quem mora, trabalha ou traféga no entorno do aeroporto, continua sendo um mero detalhe dentro do "Caos nosso de cada dia"

Vicente Portella