24.4.10

Elegia - Caetano Veloso

video


Deixa que minha mão errante adentre

atrás, na frente, em cima, em baixo, entre

Minha América, minha terra à vista
Reino de paz se um homem só a conquista

Minha mina preciosa, meu império
Feliz de quem penetre o teu mistério

Liberto-me ficando teu escravo
Onde cai minha mão, meu selo gravo

Nudez total: todo prazer provém do corpo
(Como a alma sem corpo) sem vestes

Como encadernação vistosa

Feita para iletrados, a mulher se enfeita

Mas ela é um livro místico e somente
A alguns a que tal graça se consente
É dado lê-la

De Augusto de Campos / Péricles Cavalcanti

Aplausos ao Mussarela

Ando meio sem tempo. Como voltei a estudar, depois de velho, e a rotina de trabalho anda meio bicuda, é cada vez mais raro eu conseguir um tempinho para vir aqui postar algo. Essa escassez de tempo não me permitiu, por exemplo, convidar a galera, com antecedência, para a homenagem feita pela Alerj ao bar do Mussarela.
Pra quem não sabe, o Mussa é, de longe, o maior empreendedor de Duque de Caxias. De uma barraquinha de meia porta herdada no fim dos anos 80, Carlos Antônio, o Mussarela, construiu um dos restaurantes mais importantes do Rio de Janeiro, com vária referências na mídia, reconhecimento público e citação no livro "Guia de botequins do Rio de Janeiro". Diga-se de passagem que é a única casa comercial fora da capital carioca a constar entre os melhores. Mussarela construiu isso tudo trabalhando muito e contando basicamente com a família e com os amigos.
No último dia 17 de abril o bar e cachaçaria Mussarela recebeu uma Moção de Aplausos da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro, entregue pessoalmente pelo Deputado Paulo Ramos. Já havia recebido várias homenagens da Câmara de Caxias pelo seu trabalho e certamente merece todas.
Pra quem não conhece, trata-se de um dos melhores restaurantes do Estado, com comida nordestina da melhor qualidade - um amigo meu às vezes vem do Recreio para Caxias só para comer a picanha de sol servida no Mussarela - e além disso, da carne de sol e do aipim que derrete na boca, o bar conta também com 297 tipos diferentes de cachaça - não confundir com aguardente- e por isso é também cachaçaria, promovendo degustações regulares.
Mussarela e Lúcia, sua esposa, estão de parabéns pelo reconhecimento e pela homenagem.

OBS: Achei essa foto aí em cima na internet. Mussarela, um casal de amigos e a Lúcia. Peço a devida licença aos donos da foto para publicação.

18.4.10

PR faz congresso e avisa: Garotinho voltou

Cheguei agora -Fui com meu amigo Flávio Guedes- do congresso do PR, Partido da República  , que lançou a pré candidatura de Anthony Garotinho para o Governo do Estado do Rio de Janeiro. 
Além de lançar Garotinho ao Governo e Manoel Ferreira para o Senado, o congresso aprovou também um programa de Governo, apresentado e coordenado por Fernando Peregrino, Presidente do Instituto Republicano, para o qual o PR recolheu contribuições de milhares de militantes em todas as regiões do Estado.
Entre outras coisas, o planejamento propõe a recriação da Secretaria de Defesa Civíl, anexada à Saúde por Sérgio Cabral; a retomada do projeto original de Brizola e Darcy para os Cieps e a criação da Universidade Estadual da Baixada, nos moldes da UEZO - Universidade da Zona Oeste, criada no Governo Rosinha.


Sopa de marreta


Em seu discurso Garotinho reivindicou as bandeiras do nacionalismo e do trabalhismo, de Brizola e Getúlio, e afirmou que não tem mais volta, sua candidatura veio para ficar. 
Elevando o tom , o ex Governador assumiu sua parcela de culpa na ascensão de Cabral mas deixou claro que vai para o confronto direto com o atual Governado e chamou de traidores todos aqueles que foram beneficiados politicamente nos Governos Garotinho/Rosinha e hoje se escondem atrás de cargos no atual governo do Estado.
Garotinho bateu firme também na política fascista de segurança pública, que invade favelas à tiro, defende o aborto como meio de acabar com a criminalidade e chama as mulheres pobres de fábricas de bandidos.


- Os marginais  do Rio de Janeiro não estão nos úteros das mulheres pobres, como disse Cabral. Estão, sim, no Palácio Guanabara. É lá que estão os bandidos atualmente.


Garotinho defendeu também uma política de habitação e a construção de casas populares - no seu Governo e no de Rosinha foram mais de 30 mil - como forma de dar dignidade para as pessoas morarem. Rosinha chegou a lembrar como os dois ex governadores foram criticados quando construiriam o conjunto Nova Sepetiba, na Zona Oeste, voltado para a moradia de pessoas mais pobres.
Para Garotinho, teremos em novembro uma batalha entre o bem e o mal, personificado por Cabral, e o ex Governador promete retomar o Estado do Rio para o povo carioca e Fluminense, sendo um Governador de verdade ao invés de um mero corretor dos interesses de uma parcela da Zona sul da capital.


O ex Governador desafiou Cabral, inclusive, a provar como arranjou dinheiro para comprar sua mansão em Mangaratiba, afirmando que certamente não foi com dinheiro de salário, seja como Deputado, Senador ou Governador. Garotinho disse ainda que pretende lavar o Palácio Guanabara com água oxigenada e a ALERJ com criolina, pois o que existe hoje dentro da casa legislativa é podridrão.
Caso já tenha recebido informações sobre o discurso, Cabral deve estar em pânico, pois ficou claro que Garotinho não vai alivia-lo na campanha.
A VIVO RIO ficou  pequena  para a quantidade de congressista. Muita gente acompanhou do lado de fora o pronunciamento do líder do PR.
"Unidos nós podemos mudar o Estado do Rio", afirmou Garotinho ao final do discurso, sendo aplaudidíssimo pela multidão presente.

12.4.10

Arena canta Zumbi





Estatuinha
( Edu Lobo e Gianfrancesco Guarnieri ) - Clique no título


Se a mão livre do negro tocar na argila
o que é que vai nascer ?
Vai nascer pote pra gente beber
nasce panela pra gente comer
nasce vasilha, nasce parede
nasce estatuinha bonita de se ver
Se a mão livre do negro tocar na onça
o que é que vai nascer ?
Vai nascer pele pra cobrir nossas vergonhas
nasce tapete pra cobrir o nosso chão
nasce caminha pra se ter nossa Ialê
e atabaque pra se ter onde bater

Se a mão livre do negro tocar na palmeira
o que é que vai nascer ?
Nasce choupana pra gente morar
e nascem as rêdes pra gente se embalar
nascem as esteiras pra gente deitar
nascem os abanos pra gente se abanar
oi que é pra gente abanar
pra gente abanar (BIS)


7.4.10

MP: Lei da mordaça ou de responsabilidade pública?

O Deputado Paulo Maluf é, de longe, uma das figuras mais nefastas do cenário político brasileiro. Não pairam dúvidas quanto a isso. Mas daí a se execrar a proposta de lei que regulamenta a atividade do Ministério Púbico só porque foi o Deputado paulista quem a propôs, vai uma longa distância. 
A instituição do MP foi criada na constituição de 1988 sem qualquer preocupação com possíveis desvios de seus promotores, e, na prática, acabou virando, em certos casos, uma incubadora de monstrinhos. 
Qualquer jovem recém saído da faculdade de Direito pode fazer concurso para o MP e se for aprovado e convocado, passa a ganhar imediatamente mais de 20 vezes o salário de um professor em final de carreira. Como se não bastasse isso - a falta de critérios e níveis para ascensão profissional - os membros do MP contam também com uma intocabilidade inadmissível em tempos democráticos. 
Para se ter uma idéia, qualquer membro do poder Executivo, se for comprovado que agiu de ma fé no exercício do cargo, pode ser afastado, deposto e até preso. Collor e Arruda são provas disso. 
No poder Judiciário ocorre o mesmo, como ficou comprovado com o Juiz Lalau e outros magistrados pegos com a boca na botija. 
E, finalmente, no poder Legislativo, Zé Dirceu e Roberto Jéferson serviram muito bem para provar a todos nós que o sistema, mesmo que esporadicamente, funciona. 
Com o MP, no entanto, não há nada disso. Tudo ocorre a bel prazer de cada um dos procuradores, pois, como eles próprios se orgulham em dizer, cada procurador é, em si o Ministério público. Cada procurador acumula em suas mãos os poderes da instituição. 
Havia, por exemplo, nos tempos Fernando Henriquistas, um procurador do MP de Brasília, se não me engano, que infernizava os membros do Governo. Dizem que era petista e que usava seu cargo para cumprir os papéis legalmente vedados ao partido. Não sei se é verdade, mas o fato é que depois da eleição de Lula o Sr. Luiz Fernando, o tal procurador, nunca mais foi visto na mídia. 
No Rio de Janeiro, nos dias atuais, temos um caso parecido. Mesmo com todas as provas gritantes, estampadas no Estadão ou na Folha de São Paulo, o MP do Rio não se posiciona  diante do fato de a mulher do Governador ser advogada de concessionários e fornecedores do Governo. Mesmo que o escândalo chegue ao ponto de o Governador beneficiar descaradamente, com extensão de prazo nas concessões e até mudança de leis, os clientes de sua querida e amada esposa. 
Se em Brasília e Rio, antiga e atual capital do País, o MP age assim, imagine-se em outros locais de menor visibilidade no Brasil inteiro? 
Por conta disso tudo, na qualidade de cidadão, não posso concordar que o MP seja regulado apenas por uma instituição própria, composta por promotores.
O Conar pode dar-se ao luxo de se auto regular porque, em última instância, o próprio consumidor pode rejeitar o produto de uma propaganda ruim. O que não é o caso da população diante de possíveis desmandos do MP. 
O fato é que levamos muito tempo - 389 anos – para conseguir instalar no Brasil uma República e não há motivo algum para que mantenhamos principados ou quaisquer outras ilhas monárquicas dentro da estrutura formal do Estado republicano. 
O MP precisa, sim, continuar investigando a tudo e a todos, dentro, porém, dos limites de uma lei estabelecida democraticamente pela sociedade através de seus representantes. 
Pode até ser que Paulo Maluf não seja o parlamentar mais indicado para conduzir este debate – e de fato não é - mas ele precisa ocorrer.
O MP, na figura de cada um dos procuradores do órgão, precisa ser responsável pelos seus atos, como ocorre com qualquer um de nós, mortais comuns.

6.4.10

Quem sabe então, o Rio será alguma cidade submersa... Zona sul paga o pato

O Rio de Janeiro pagou caro pela incompetência de seus dirigentes, Prefeito e Governador. Qualquer cidadão carioca ou fluminense sabe que o Rio sofre com chuvas fortíssimas nessa época do ano. São as chamadas águas de março, cantadas por Tom 
Jobim.
Só o Prefeito e o Governador não sabem disso.
Desde janeiro de  2009 no cargo, Eduardo Paes foi incapaz, durante todo esse tempo, de mandar limpar bueiros e galerias de águas pluviais na cidade. Pelo contrário, reduziu as verbas nessa área em mais de 70%. O resultado foi a tragédia. 
Por mais que Sérgio Cabral vá para a televisão defender seu pupilo e fazer campanha, o fato é que a cidade, assim como o Estado, está abandonada. 
Num esforço desesperado de justificar o injustificável, Cabral, diante dos microfones da Globo, TODOS  à sua plena disposição, preferiu, ao invés de apresentar soluções, botar a culpa do caos nos moradores de favelas, mostrando que além de incompetente é covarde.
O problema que ataca o Rio não vem das favelas, nem de qualquer área carente, mas sim do desgoverno. O caos se deu no asfalto, inclusive da Zona sul, graças, única e exclusivamente, à inércia de Cabral e seu estafeta, Eduardo Paes.
Na verdade a própria população da Zona sul pagou caríssimo pelo apoio que dá a ambos. Em troca de votos e apoio a Zona sul recebeu esgoto e enchente.
Nada disso aconteceria se os compromissos de Eduardo Paes com a cidade fossem maiores do que aqueles que ele tem com o mundo financeiro.
Tanto o Prefeito quanto seu chefe, o (des) Governador, perdem o foco governamental quando vêm possibilidades de lucro a sua frente, por isso, ao invés de cada um fazer seu trabalho, preferem negociar prazos de concessões de serviços públicos, ignorando, inclusive, a própria instituição dos serviços públicos em si..
Cabral chegou a dizer na imprensa que os problemas são técnicos e devem ser respondidos pelos responsáveis técnicos, pois ele é "apenas" Governador. Ao que parece, crê, piamente, que o cargo se resume ao direito de passear pelo mundo - Paris, New York, etc - às custas da população que paga impostos.
Eduardo Paes chegou à, ele mesmo, dizer que seu governo merece nota abaixo de zero. Tem toda razão. Nem ele nem Sérgio Cabral merecem ter seus Governos aprovados pela população. Um deles, Sérgio Cabral, será defenestrado em novembro. O outro, demora mais um pouco. Certamente, no entanto, o povo terá muito prazer em apea-lo do cargo em 2012.
Se querem apenas fazer seus negócios, que não seja na vida pública, e sim na privada.

3.4.10

O Teatro é nosso!

Recebi, por e-mail, do Antônio Carlos Theko, um convite para participar do site "O teatro é nosso" e da Campanha que se propõe a defender a criação de um centro cultural em cada cidade brasileira com mais de 20 mil habitantes. Não apenas dou força, como convida o site, como me proponho a colaborar como for possível.
A idéia é, segundo o site, "criar um espaço multicultural e funcional que, além de um teatro de qualidade – que é o núcleo fundamental do Projeto –, privilegia também as mais diversas formas de manifestações artístico-culturais, como: salas de cinema, biblioteca, salas de exposições, salas para eventos e palestras, espaços para cursos e oficinas de teatro, artesanato, artes plásticas, pintura, música, dança, entre outras formas de expressões artísticas. Esses Centros contarão também com um espaço multimídia (telecentro com computadores conectados à internet), para fomentar a inclusão digital nesses municípios e, ainda, espaços destinados ao comércio. Contendo lojas, praça de alimentação e outros espaços comerciais."
Já assinei o manifesto e aderi a campanha, pois está mais do que na hora do Brasil começar a caminhar como um País maduro, livre e independente, e a cultura é a única forma de se chegar à isso.
Agradeço ao Antônio Carlos Theko pelo convite e, de minha parte, convido todos os amigos do Blog para "Dar uma força", como sugere a campanha.

2.4.10

Lero lero - Evoé mestre Edu Lobo

video

Eu sei de tudo...

Ando meio fora do ar em termos de internet. Como voltei a estudar, meu tempo tem sido prá lá de escasso. Como gostam de dizer os advogados, ando assoberbado.
Continuo, no entanto, mesmo que, claudicantemente, acompanhando as coisas que acontecem por aí.
Sei, por exemplo, que o LHC deu certo lá na Suíça e que o FHC continua dando errado e falando besteira direto no Brasil. Dia desses, inclusive, diante do desespero de se sentir rifado dentro do próprio PSDB, e ex Presidente deu um jeito de se encontrar com o Roriz, ex Governador do DF. Pra quem não sabe, comparado ao Roriz o Arruda pode ser considerado um mero trombadinha.
FHC faz isso de sacanagem, claro. Ou o Serra o reconhece como capa preta ou ele vai se encontrando com essas figuras pelo Brasil inteiro, como forma de desgastar a imagem ( e a careca ) do tucano paulista. É a vingança de FHC.
Aqui no Rio também ando atento. O Estado, eu sei, está virando um baita parque de diversões. Tem até trem fantasma. Aliás, um Deputado do PSOL foi para a televisão denunciar as mutretas do Governo, falando inclusive que a mulher do Governador é advogada do metrô, o que é a mais pura verdade, e foi impedido pela “justiça”.
Não sei qual o critério do Juiz - ou Juíza - do caso, mas que a coisa me pareceu estranha, isso pareceu. Se a ALERJ tem a função de fiscalizar o Governo, porque calar um dos únicos deputados – O nome do Deputado é Marcelo Freixo - que cumprem seu papel dignamente? Parafraseando Shakespeare, há mais mistérios entre o executivo e o judiciário do que pode supor nossa vã filosofia...
Estou atento também ao caso Lindberg – Homem, branco e riquinho. O sujeito ganhou de lavada da Benedita da Silva – Mulher, negra e favelada - nas prévias do PT e saiu da Prefeitura de Nova Iguaçu, para concorrer ao senado, debaixo de um tiroteio de denúncias.
Dizem que Piscianni, Capo da “Cosa nostra” Fluminense e adversário de Lindinho na corrida pelo Senado, liberou um cascalho bom para o jornal O Dia (1) descer a lenha no PTista, atual "melhor" amigo de Sérgio Cabral. Lindberg, injuriado, jurou vingança.
De royalties eu também tenho conhecimento, mas nem falo mais nada. Acho melhor discutir isso depois de janeiro, quando o Rio já terá um Governador de verdade novamente. Por enquanto, com o Estado acéfalo, é melhor nem falar nada.
Mas, como disse lá em cima, ando assoberbado. Por isso tirei o fim de semana para atualizar o Blog. Aliás, amanhã – Sábado – vai rolar uma coisa realmente importante: a Ana Paula Miguez, cantora, compositora e parceira tanto do poeta Valdo Couto, quanto do velho e bom Canthídio, vai se apresentar na Lona Cultural Gilberto Gil – Dá-lhe Ministro... – em Realengo, abrindo o show de lançamento de DVD do cantor Francis. 
Ainda não conheço o trabalho da Ana Paula, mas pelo que o Valdo e o Canthídio já me disseram, vale super a pena conferir. Arte de verdade é coisa rara nos tempos bicudos em que vivemos.


(1) - Venderam o jornal O Dia. Já diziam antes que o jornal era vendido, mas agora é à vera. Um grupo português comprou o diário carioca.