21.12.08

Bando de doido....um elogio à loucura, ou, no caso, à doideira.

Apaguei todos os meus scraps no orkut, menos dois. Um com um vídeo do Eric Clapton que uma amiga me enviou, e um outro, do Bando de doido, contendo um programa auto executável com 6 belíssimas canções.

Gosto muito de ouvir músicas boas dessa turma nova a qual mídia se recusa a dar uma força. Na verdade creio que se a música do Bando de doido tocasse nas rádios seria um alívio para os ouvidos e, principalmente, para a alma dessa galera toda que perambula por aí procurando algo decente para ouvir.

Para ser sincero tenho a nítida impressão de que se Chico, Caetano, Tom e tantos outros ícones da MPB começassem sua carreira nos dias de hoje estariam fadados ao limbo. Esse povo de gravadora e rádio, ao que me parece, salvo raríssimas exceções, deixa o cérebro trancado em uma gaveta na hora de escolher artista e repertório e com isso privilegiam o que há de pior, publicando coisas aquém do medíocre.

Mas há uma luz no fim do túnel e felizmente não é um trem. A internet hoje nos permite furar o bloqueio e ter acesso a artistas fantásticos em todos os cantos do planeta. Música, artes plásticas, literatura...tudo anda girando na rede de forma maravilhosa e graças à isso podemos ouvir, por exemplo, o Bando de doido, Beto Gaspari, Marko Andrade, Marcelo Ferreira, Juliana Zanardi e tantos outros artistas fabulosos. A internet nos permite verdadeiros contatos imediatos de múltiplos e variados graus.

Como disse Bandeira: Evoé Baco! Evoé Momo! Evoé Vênus!

E, acrescento eu, evoé internet!

OBS: quem quizer conferir é so acessar www.myspace.com/bandodedoido

5 comentários:

Bando disse...

Vicente, muito obrigado pelo elogio à doideira do Bando de Doido, que só é doido porque faz diferente pra geração atual(e contemporânea) ver que existe mais do que a mídia mostra, já que a minha escola foi os grandes da MPB, como Gil, Caetano, Gal, Bethânia, Elis, Gonzagão, Chico, Tom e mais um bando de doido que sabia revolucionar no campo da música, protestando quando necessário, amando quando possível. Beijos de um fã!

Ronemberg disse...

Concordo contigo, Vicente. A Originalidade faz a diferença entre o joio e o trigo, e Bando de Doido é bom porque é original pros dias de hoje, onde toda qualidade se perdeu estuprada pela mídia viciada em funk e músicas que se encaixam em novelas, está tudo repetido, são poucos os que escapam. Ave, Bando de Doido!

Vicente Portella disse...

Valeu, Bando. Valeu Ronemberg,

Esse compromisso com a arte é fundamental. Eu, e cada um de nós precisamos disso. De um sentimento saudável nos guiando pelo futuro, alimentado pelo que há de melhor na alma humana.

Grande abraço

Licia disse...

Bom muito bom o son e a proposta.

Num mundinho tão igual e mediocre é sempre uma delicia ouvir e conhecer gente boa a fazer algo de qualidade.

De
licia

Vicente Portella disse...

Valeu Lícia,

A arte sempre fala mais alto do que pasteurização da mídia. Pelo menos pra gente.

Beijão