1.4.09

Extra ! Extra ! Notícias do 1º de abril

A Polícia Federal deflagrou hoje, na Capital Federal, a operação Nome simples, liderada pelo delegado João José da Silva e executada pelo único grupamento da PF não submisso ao Governo nem a oposição. A operação prendeu em Brasília o Presidente da República e todos os Ministros da áreas econômica, além de todos os membros das mesas diretoras do Senado e da Câmara e todos os líderes e vice líderes de partido das duas casas, tanto da oposição quanto da situação.

O Delegado João José da Silva deu detalhes a nossa reportagem sobre a dramaticidade de algumas prisões.

- Foi realmente um momento dramático da vida Brasileira. Alguns senadores e deputados tiveram que ser presos mediante o uso da força. Um deles, inclusive, teve que ser levado junto com sua mesa de trabalho, a qual estava agarrado, enquanto gritava desesperadamente: “ Não me abandonem! Não me abandonem.”

A operação Nome simples, uma alusão à outras operações realizadas por alas partidárias da Polícia Federal e batizadas com nomes estapafúrdios, pretende se estender a todo o território nacional, cumprindo ordens de prisão contra vários Governadores, Prefeitos, Deputados Estaduais e milhares de Vereadores em todo o País. Nesse primeiro momento, no entanto, a ação da PF se concentra em Brasília onde ainda falta dar voz de prisão à cerca de 98 Deputados Federais e pelo menos 30 Senadores que, faltando às reuniões plenárias de hoje, na Câmara e no Senado, já podem ser considerados fugitivos da justiça.

- Precisamos ir devagar. Se cumprirmos todas as ordens de prisão de uma só vez não haverá cela suficiente no Brasil para tanta gente. Disse o Delegado

Em primeira análise, a prisão destes elementos, considerando salários, verbas de gabinete, propinas e negociatas em geral, pode proporcionar ao Brasil uma economia de mais de 1 trilhão de reais nos próximos 12 meses. Caso os suplentes assumam, no entanto, essa economia pode se resumir a 10 % do total previsto.

- Os suplentes ainda não possuem o conhecimento técnico necessário para  conduzir as operações financeiras em questão, mas com base na formação pessoal da maioria deles acreditamos que isso não seja um grande problema. Quando se trata de dinheiro eles aprendem muito rápido e , portanto, a perda nas apropriações de verbas públicas seria mínima. Afirmou um economista brasiliense que preferiu não ser identificado.

O próximo passo do Delegado João José da Silva e estender a operação ao poder judiciário, mas o policial considera ser necessária alguma cautela.

- Muita calma nessa hora. Há muitas pessoas poderosas envolvidas nessa história e eu tenho família para criar. Outra operação desse porte, provavelmente, só no próximo dia 1º de abril. Daqui a um ano.

2 comentários:

conversaatrevida disse...

Olha, eu devia ter postado isso aí ao invés daquela BUNDA LÁ NO meu blog...

muuuuuuuuuuito melhor o seu 1º de abril...
que bem podia acontecer num dia 2 de maio, ou de julho ou 7 de setembro....

bjooossssssssss....com lábios pintados de verde/amarelo.

Atrê

Anônimo disse...

ACHO ESSE COMENTÁRIO UM DOS MELHORES QUE JÁ VI , PENA QUE NÃO CHAGA A BRASÍLIA !!