18.9.08

Um poema...

Ana
Nua
Amua
Franze o cenho
E sua

Languidez
Ardor
Vontade

Arde
O lábio
A flor
A pétala
A base da última vértebra
A língua
A boca
O corpo
Arde

Largo
o afazer e venho
Dar-te
O amor
O beijo


Estabelecer
em ti
a central do meu desejo
Explorando dobras
Furnas
Escaninhos...

Dou-te mil carinhos
Meu luxurioso enlevo

Abro-te inteira
e bebo
Em teu cálice sagrado
O sumo da vida eterna

Recôndito portal
Caverna
Por onde passeio impune

A fúria
A febre
O êxtase

Um deus gozador nos une
A imensidão nos integra

Um comentário:

Angelo Oliveira Diniz disse...

Amigo Vicente,
sempre bom vê-lo, lê-lo. Deviamos beber mais de nossa amizade - Graal que nunca esgosta.
Me liga, e se puder, dê uma olhada no entrelaces.blogspot
Grande Beijo