23.9.08

Tem doido pra tudo...

Dia desses parei num bar para comprar cigarros e assisti à um debate curioso. Dois sujeitos já a meio caminho - e mais um pouquinho - do porre discutiam entusiasmadamente. Um defendendo Barack Obama e o outro John Mccain.
Nenhum dos dois me pareceu ser eleitor na terra do Tio Sam, mas o grau de paixão que cada um punha em sua defesa era algo espantoso.
Cá com meus botões, fiquei me perguntando: que diabos é isso? O que faz com que dois cidadãos brasileiros, terceiro mundistas natos, adotem para si valores americanos?
Que a classe média alta adote esse tipo de comportamento é até natural. Desde o século retrasado ela tem por hábito envergonhar-se do País que seus pais e avós criaram. Antigamente queriam ser europeus e hoje têm como referência os americanos. Mas, dois operários? Isso pra mim é novidade. Se o Obama fosse " O Brahma" eu entenderia. Afinal de contas, cerveja faz parte da nossa cultura popular. Mas não é. O nome do cara é Obama, parecido com Osama, e talvez até sua plataforma seja resgatar o que o quase homônimo pôs abaixo: a auto estima americana. Seria até interessante o slogam. Obama vai erguer o que o Osama jogou no chão. Mas nem sei se é esse o caso, mas enfim...
O fato é que o povaréu esta muito mais interessado nas eleições na matriz do que aqui na filial. Vai ver o povo acha que importante mesmo, é quem manda lá e considere nossos governantes como boy de luxo. Sei lá...
O interessante é que, segundo os doutos de plantão, algo entre 60 e 70% da população não está, literalmente, nem aí pra hora do Brasil. Eleição para maioria é uma coisa que ocorrerá num futuro distante, e, exatamente por isso, quase ninghuém tem a menor idéia de em quem vai votar. Não sei se é extrema sapiência ou uma bobagem infinita, mas o fato é que Obama e Maccain exercem mais liderança sobre o cidadão Brasileiro nesse momento do que a grande maioria dos candidatos tupiniquins. Daí é simples deduzir que, ou Obama e Maccain são muito bons, ou nossos candidatos são muito ruins. Modestamente, aposto na segunda opção.
De qualquer forma, como tem doido pra tudo, estas coisas acabam não fazendo a mínima diferença.

IPC ( Importante pra Caramba): Decidi que vou votar no Gabeira. Pelo menos estarei dando uma chance de sobrevivência à inteligência carioca.

Um comentário:

Angelo Oliveira Diniz disse...

Mano Vicente, depois de sorvida a última garrafa de nossas conversas, lembrava de, ainda na água de côco, ter comentado de meu voto em Gabeira. E nós dois, caxienses desavergonhados - até mesmo por causa dos que tem vergonha de o serem, e mais ainda dos sem-vergonhas que governam -, acabamos por votar no Rio, já que pra ter saúde, educação, trabalho e lazer um pouquinho melhor, forçosamente migramos pra lá.
Habitar não é o caso já que nos familiarizamos com as calçadas e sarjetas, e não haja no mundo quem as fizessem de plumas e cobrissem de veludo. Mas se a saida do caxiense é o Rio, e o "problema" do Rio (muitos dizem) é a Baixada, concordo também com a idéia exposta no blog de invertermos canditos e eleitores entre Rio e D. de Caxias.
Enquanto isso, nessa terra tupiniquim tão esvasiada de identidade política, acaba-se mesmo discutindo entre qual seria a melhor opção, entre o Bamba ou o Mocacim, para atravessar a vala comum de coligações assoreadas, reduzidas a duas galerias de lama fétida que já transbordam. Quem pode achar que ainda dá pe´?